Dupla de cineastas vai produzir documentário sobre as antigas estações de trem

Produção irá resgatar as memórias daqueles que construíram suas vidas pessoais e profissionais ao longo da Estrada de Ferro D. Pedro II

Por O Dia

Rio - As antigas estações de trem das cidades do Sul Fluminense vão voltar a fazer parte do mapa do Brasil. É que uma dupla de cineastas da região se prepara para filmar o documentário “Entroncamentos — Vida e Memória Social nas Estações Ferroviárias do Sul Fluminense”. Assinada por Fernando Sousa e Gabriel Barbosa, a produção vai começar a ser rodada no segundo semestre e irá resgatar as memórias daqueles que construíram suas vidas pessoais e profissionais ao longo da Estrada de Ferro D. Pedro II — o lançamento está previsto para março de 2018, mês de aniversário de Barra do Piraí.

Ao lado%2C a imponente estação de Barra do Piraí. Abaixo%2C os cineastas Fernando Sousa e Gabriel BarbosaDivulgação

Segundo Gabriel Barbosa, a ideia do documentário surgiu da ligação afetiva com o tema. Nascido e criado em Barra do Piraí, um dos maiores entroncamentos ferroviários da América Latina — entre Rio, São Paulo e Minas —, o cineasta tem ainda hoje parentes que trabalharam ou viveram de alguma forma ligados à antiga ferrovia. O bisavô materno, por exemplo, foi agente de estação. “O assunto tem uma relevância não só para a região, mas para pensar todo o processo de desenvolvimento brasileiro nos últimos dois séculos, bem como entender melhor sobre as formas de vida que surgiram no ápice e no declínio do transporte ferroviário”, acredita o diretor.

O cineasta ressalta que a escolha do tema do documentário se justifica pela importância que a ferrovia teve no Brasil e, sobretudo, na região do Vale do Paraíba. Ele garante também que o desenvolvimento urbano e econômico trazido pela linha férrea é fundamental para entender parte da história brasileira. “E também nos interessa saber as memórias e histórias de vida daqueles que já se dedicaram à ferrovia de uma forma ou de outra”, destaca.

Gabriel Barbosa lembra ainda um outro aspecto bastante importante. É que a ferrovia surge no Brasil em um momento bastante conturbado do século XIX, quando as forças produtivas da nascente burguesia industrial rivalizava com uma superpotente oligarquia agrária. Ao mesmo tempo, não se pode negar que ela foi um dos principais motores da industrialização das cidades. “E isso tudo no contexto do estado imperial de D. Pedro II. Para além de ser um escoamento mais eficiente e barato da produção agrícola, também fundaram núcleos urbanos importantes, como o Vale do Paraíba e todo o subúrbio carioca”, avalia Gabriel Barbosa.

Documentário será produzido a partir de financiamento coletivo

O documentário “Entroncamentos — Vida e Memória Social nas Estações Ferroviárias do Sul Fluminense” terá entre 30 e 50 minutos de duração, com produção via financiamento coletivo — ‘crowdfunding’. É o que garante o cineasta Gabriel Barbosa, adiantando que pessoas físicas e jurídicas poderão colaborar com valores a partir de R$ 30 (https://benfeitoria.com/entroncamentos).

Quem investir no documentário ganhará como recompensa um DVD personalizado e ingressos para a pré-estreia. De acordo com o valor da contribuição, as empresas também vão ter expostas suas logomarcas nos créditos iniciais.

“Estamos contando que parte do orçamento virá do financiamento coletivo, mas também esperamos envolver empresários da região e que tenham interesse em investir na proposta. Assim, pretendemos chegar ao teto em torno de R$ 100 mil para o processo de produção completo”, entrega Gabriel Barbosa.

Últimas de Rio De Janeiro