Macaé vai ampliar atendimento do programa de equoterapia

Atualmente com 180 pessoas com deficiência ou necessidades especiais sendo atendidas, cidade ganhará novas vagas em setembro. Unidade vai funcionar na região serrana do município

Por O Dia

Rio - Macaé está prestes a ampliar o número de atendidos pelo Centro de Equoterapia. Destinado a tratar pessoas com quadro clínico de doenças genéticas, neurológicas, ortopédicas, musculares e/ou com sequelas de traumas e cirurgias por meio de terapia com cavalos, o programa vai abrir novas vagas na região serrana da cidade.

A nova unidade vai funcionar no Parque de Exposições de Córrego do Ouro, onde vão ser oferecidas 12 vagas para futuros pacientes da localidade. A previsão é que o serviço tenha início no fim de setembro. Atualmente, Macaé tem 180 pessoas sendo atendidas no Parque de Exposições Latiff Mussi Rocha, em São José do Barreto. A unidade conta com fisioterapeutas, psicólogos, equitadores, auxiliares e professor de Educação Física.

Macaé vai ampliar atendimento do programa de equoterapiaDivulgação

A equoterapia é um método terapêutico que usa cavalos de forma interdisciplinar nas áreas da saúde, educação e equitação. O objetivo é auxiliar o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiências e/ou necessidades especiais.

A utilização de cavalos na terapia contribui para o desenvolvimento da força muscular, serve como forma de relaxamento e garante o aperfeiçoamento da coordenação motora e do equilíbrio. A interação com o animal desenvolve também a socialização, a autoconfiança e autoestima.

Segundo o secretário de Agroeconomia, Alcenir Maia Costa, o programa funciona de segunda a sexta, de 8h às 17h, atendendo pessoas de todas as idades. As sessões duram trinta minutos e cada uma dos 180 atendidos comparecem a o Parque de Exposições Latiff Mussi Rocha uma vez por semana. "A secretaria disponibiliza transporte às segundas, terças e quintas para facilitar o acesso daqueles com dificuldades de locomoção", destaca Costa.

Para participar do projeto, é preciso se inscrever no Parque de Exposições Latiff Mussi Rocha, que fica na Rodovia Amaral Peixoto, s/n, no bairro São José do Barreto de 8h às 17h. É possível também fazer inscrição pelo telefone (22) 99958-2072 e falar com Cymone Camolézi. É necessário levar o encaminhamento médico para equoterapia e documento de identidade.

Qualidade de vida melhor

Campos dos Goytacazes é outra cidade que usa a equoterapia no tratamento de pessoas com deficiências e/ou necessidades especiais. Elas são atendidas no Projeto Paraesporte, da Fundação Municipal de Esportes (FME).

A equoterapia, aliás, melhorou a qualidade de vida de Gabrielle Baptista, de 8 anos. É o que garante a avó, Vera Baptista de Almeida. "Ela era muita agitada, com o andar comprometido. Depois da equoterapia, ela está mais tranquila", conta.

As sessões são no Asilo Nossa Senhora do Carmo (Parque Tarcísio Miranda) e na Clínica Vivenciar (Caju). Inscrições na sede da FME (Rua dos Goitacazes, 499, Centro) e na Vila Olímpica Lulu Beda (Av. Carmem Carneiro, s/n, no Jardim Carioca).

 

Últimas de Rio De Janeiro