Colecionadores chegam à Basileia para feira de arte contemporânea de U$ 4 bi

A feira Art Basel, na Suíça, atrai milionários, colecionadores e apaixonados por arte de várias partes do mundo

Por O Dia

O autorretrato de Andy Warhol a US$ 35 milhões e um quadro de Willem de Kooning de uma mulher ruiva a US$ 15 milhões serão tentações para bilionários do Catar, de Hong Kong e de Moscou na maior feira de arte moderna e contemporânea nesta semana na Suíça.

Cada ano no mês de junho, a feira Art Basel transforma a tranquila cidade suíça de Basileia, na beira do Rio Reno, no epicentro do mercado de arte onde é mais difícil achar um quarto de hotel do que um Malevich. Com até US$ 4 bilhões em obras à venda, segundo uma estimativa da seguradora AXA Art, trata-se da maior edição desde a criação da feira em 1970.

As principais galerias do mundo estão entre os 285 expositores de 34 países que oferecem de obras-primas do começo do século 20° até telas novas cuja pintura acaba de secar. Espera-se que a assistência alcance 86.000 pessoas em seis dias, disseram os organizadores. A NetJets Inc. de Warren Buffett, patrocinadora da feira por 11° ano, reservou mais de 100 voos privados a e de Basileia.

“É como o Davos do mundo da arte”, disse Wendy Cromwell, conselheira de arte em Nova York, que assistirá ao evento pela 19°vez, em referência ao Fórum Econômico Mundial, que realiza uma conferência anual em Davos, a umas duas horas e meia de viagem. “As galerias estão atendendo a uma classe global de colecionadores ricos, de elite”.

A avalanche começa hoje no centro de exibições Messe Basel, onde uma seção de esculturas gigantescas e instalações imensas será aberta às pessoas VIP de “primeira escolha”. A abertura gradual continua amanhã; os VIP regulares terão acesso a partir de 18 de junho e o público geral, em 19 de junho.

Farra de compras

A feira vem logo após uma temporada recorde em Nova York, onde as casas de leilão venderam obras de arte moderna, impressionista, do pós-guerra e contemporânea por US$ 2,2 bilhões no mês passado. Foram quebrados recordes pessoais para dúzias de artistas, incluindo US$ 84,2 milhões pelo quadro “Black Fire I” de Barnett Newman, leiloado pela Christie’s em 13 de maio.

Espera-se que a farra de compras continue em Basileia, onde as galerias já venderam ou reservaram obras antes da abertura da feira. O pequeno retrato feito por Francis Bacon em 1959, cotado em US$ 3,5 milhões, ia figurar entre 75 obras da Richard Gray Gallery, com sede em Chicago e Nova York, cujos clientes incluem o gerente de hedge funds Kenneth C. Griffin, CEO da Citadel LLC.

O quadro foi vendido na semana passada e não será exibido, disse Paul Gray, diretor da galeria. Outras obras continuam na agenda, incluindo uma serigrafia feita por Robert Rauschenberg em 1963, oferecida a US$ 8,5 milhões, e uma escultura de neon de Dan Flavin nomeada em homenagem ao artista construtivista Vladimir Tatlin e cotada em US$ 2,5 milhões. A galeria também venderá “Montcalm Pool, Los Angeles”, uma paisagem vibrante de uma piscina por David Hockney a US$ 1,75 milhões.

Obras à venda

O crescimento do mercado não impediu que os preços quebrassem recordes históricos, disseram colecionadores e conselheiros. O valor das obras na feira subiu 128,6 por cento frente a 2011, ano em que o valor foi estimado pela Hiscox Ltd. em US$ 1,75 bilhões. A estimação da Axa Art para este ano oscila entre 2 bilhões de euros (US$ 2,7 bilhões) e 3 bilhões de euros (US$ 4 bilhões).

A Edward Tyler Nahem Fine Art venderá o quadro semiabstrato “Woman (Arthur’s Woman)” de uma mulher ruiva, feito por de Kooning em 1966 e cotado em US$ 15 milhões. A Skarstedt Gallery venderá o autorretrato de Warhol com uma peruca de palhaço, cotado em US$ 35 milhões.

As obras criadas nos últimos 10 ou 15 anos ganharam importância como parte da Art Basel, disse Robert Mnuchin, ex-executivo do Goldman Sachs Group Inc. cuja galeria de Nova York se especializa em arte do pós-guerra. Mnuchin está participando da feira pela 18° vez. “Os clássicos de ouro são cada vez mais difíceis de conseguir para as galerias”, disse ele.

Últimas de _legado_Notícia