Por monica.lima

Depois de quase fechar as portas no ano passado, a rede carioca de cinema Estação comemora seus 30 anos com o resgate da sua principal tradição: uma programação variada e recheada de clássicos. O novo fôlego veio após a parceria fechada com a Net, que permitiu não só que o Grupo pagasse suas dívidas, mas também pudesse investir na melhoria das instalações das suas cinco unidades e em novas mostras de filmes, principalmente em Botafogo. “A ideia foi apoiá-los para primeiro sanar as dívidas e se recuperar financeiramente, o que aconteceu no final de 2014. A partir do dia 20 de janeiro, trocamos as fachadas e colocamos nosso nome. Daí em diante começou o processo de manutenção e melhoria das salas do grupo”, diz a gerente de Comunicação Institucional da Net, Ane Lopes.

A programação para 2015 é extensa. Desde ontem, entrou em cartaz uma mostra com 15 clássicos franceses restaurados; e desde o dia 16 de abril até 21 outubro, 80 clássicos dos anos 80 ganham nova vida nas salas do grupo. Cada um será exibido três vezes.

“Os jovens adoram o novo Estação. Os mais velhos dizem que é o mesmo”, diz Marcelo Mendes, presidente da rede cariocaBruno de Lima / Agência O Dia


“Vamos ainda estrear com exclusividade o Palma de Ouro do Festival de Cannes, ‘Winter Sleep’ e muitas outras novidades. É um calendário de cinemateca, só aqui no Estação Botafogo. Em breve vamos anunciar projetos para as nossas outras salas”, comemora o presidente do grupo Marcelo França Mendes. A previsão é que o Estação Net Rio, outra unidade também em Botafogo, hoje fechada para reformas, reabra em 14 de maio.

Segundo Mendes, a ideia é que cada unidade do grupo apresente filmes e projetos de acordo com as características de seus públicos. Além do que chama de cinemateca no Estação Net Botafogo, o Estação Net Rio ficará com filmes atuais de diversos países, e a unidade da Gávea terá uma proximidade grande com o teatro, tradição do bairro.

“Vamos fazer mais salas na Gávea e uma delas vai ser de teatro. Além disso, a sala 5 vai ter um palco para apresentações, e estamos terminando uma sala de ensaios (...) Vamos trazer de fora produções de teatro filmadas e, ao mesmo tempo, vamos produzir peças”, explica ele.

Para Ipanema, bairro em que o público do cinema é mais velho, um dos projetos é repetir alguns clássicos, mas aos sábados e domingo pela manhã. “O Barra Point é um pouquinho de cada, mas é a única sala no bairro que passa os filmes que temos aqui em Botafogo (...) O público ainda é pequeno, mas acreditamos que com a estação do metrô em frente isso mude”, completa o presidente.

A parceria com a Net, além de levar mais assinantes às salas — hoje eles já são 23% do circuito —, possibilitou o relançamento da revista “Tabu” e a distribuição de um álbum de figurinhas para quem vai às sessões da Mostra Anos 80. Cada filme assistido dá direito a uma figurinha. Em breve, conta Mendes, outros projetos como a curadoria de filmes exibidos no Net Now e uma revista conjunta mensal sobre a programação do circuito do Estação, que pode vir como encarte da revista Monet, devem sair do forno.

“Tem um público mais jovem vindo e dizendo: estou adorando o novo Estação. Por outro lado, os mais velhos dizem: novo não, é o velho de novo”, brinca o presidente do grupo.

30 ANOS DE ESTAÇÃO

Mostra Anos 80
Traz cópias restauradas de sucessos da década, como “Touro Indomável”, de Martin Scorsese, e “Veludo Azul”, de David Lynch. Cada sessão dá direito a uma figurinha para preencher os quatro álbuns dedicados à mostra. Aberta até 24 de setembro.

Maratona Terror 80
O público escolhe os três filmes exibidos em cada sessão no site do Estação. Acontece sempre na terceira sexta do mês, a partir de meia-noite, com bolo e café no encerramento.

Clássicos do Cinema Francês
Filmes restaurados de grandes diretores como Jean Renoir, Jean-Luc Godard e Jacques Tati. Em cartaz até 29 de abril.

As mostras estão em exibição no Estação Net Botafogo, que fica na rua Voluntários da Pátria, 88, em Botafogo.

Cinema e whisky, uma mistura que dá certo, no Cine Belas Artes de SP 

O cinema Caixa Belas Artes, queridinho dos cinéfilos paulistanos, foi — novamente — transformado em ponto de encontro.

Ontem, no mezanino, o bartender Fabio La Pietra, do SubAstor, preparou drinques com JohnnieWalker Double Black. A degustação foi acompanhada por um trio de jazz.
Desde outubro, uma parceria entre o Caixa Belas Artes e a Johnnie Walker, da Diageo, leva drinques ao cinema.

O Cine Belas Artes%2C em São Paulo%2C reabriu graças à parceria com a CaixaDivulgação


Mas a programação do Belas Artes não para por aí. O destaque da semana vai para a estreia da trilogia “Operação Sonia Silk”, de Bruno Safadi e Ricardo Pretti. Estrelados por Leandra Leal, Mariana Ximenes e Jiddu Pinheiro, os filmes se inspiram no gesto e no imaginário dos longas metragens realizados nos anos 70 pela produtora Belair, de Julio Bressane e Rogério Sganzerla. Na terça-feira, haverá bate-papo com elenco e diretores após a sessão.

Como aconteceu com o Estação, cinema paulistano passou por momento difíceis. Depois de ficar três anos fechado, reabriu em julho, graças à parceria com a Caixa.

3ª Bienal do Graffiti reúne 60 artistas em São Paulo

Entre murais, paredes e quadros pintados com spray, a 3ª edição da Bienal Internacional Graffiti Fine Art reacende as movimentações no mundo da street art, em São Paulo. Carregando o título de exposição mais visitada do Brasil em 2013, atraindo 60 mil pessoas, a bienal traz uma novidade neste ano. Depois de duas edições no MuBE, desta vez o Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque do Ibirapuera, espaço do Museu da Cidade de São Paulo, é o novo palco da mostra. O Pavilhão é um prédio de 11 mil metros quadrados, projetado por Oscar Niemeyer nos anos 1950, e que agora retoma suas atividades após obras de manutenção e restauro do edifício.

Em cartaz até 19 de maio, a exposição apresenta cerca de 60 artistas que se destacaram nos últimos anos nos mais diversos cantos do mundo,incluindo Estados Unidos, Alemanha, França, Itália, Chile, Peru e Japão. O norte-americano Pose II e o alemão Tasso são os grandes destaques desta edição.

Grande parte das obras foi criada exclusivamente para a 3ª Bienal. Muitas delas, inclusive, acabaram sendo pintadas poucas horas antes da abertura. Além dos formatos tradicionais de produção de street art, os artistas ainda apresentam instalações, esculturas e videoarte.

ONDE ASSISTIR: A 3ª Bienal Internacional Graffiti Fine Art fica aberta até 19/05. Pavilhão das Culturas Brasileiras, Parque do Ibirapuera. Rua Pedro Álvares Cabral, s/n, em SP.

Festival do Choro abre casa referência do gênero no Rio

Como parte das comemorações do Dia Nacional do Choro, está aberto a partir de amanhã o VI Festival Nacional do Choro, na Praça Tiradentes, no Centro. Concomitante a abertura do festival, será inaugurada a Casa do Choro, o primeiro centro de referência do gênero na cidade onde ele foi criado.

O festival vai reunir, em sucessivas apresentações ao ar livre, 20 grupos, num total de 160 chorões, de todo o Brasil. Entre os que vão se apresentar estão os grupos Camerata Brasilis, Época de Ouro, Trio Madeira Brasil e Quarteto Maogani, além de músicos consagrados do gênero, como Hamilton de Holanda, Yamandu Costa, Zé Paulo Becker. Durante a semana, uma série de palestras sobre o panorama do choro no país ainda vai dar ao público a primeira oportunidade de conhecer as instalações da Casa do Choro. A programação no espaço ainda conta com workshops e encontros musicais, incluindo rodas de choro no fim da tarde e no horário de almoço. A programação completa está no site: www.casadochoro.com.br.

Você pode gostar