Por marta.valim

O menorzinho dos ‘G-Class’ chega com ares de pré-estreia, novidades eletrônicas e segurança de ponta. Ele antecipa o carro que será montado no interior de São Paulo, na fábrica da estrela em Iracemápolis, por sinal o local da apresentação, e surpreende com o preço de R$ 133 mil na versão de entrada —menos do que o SUV clássico Jeep Cherokee, na nota lá em baixo. É claro que não discutimos aptidões aqui.
O Mercedes terá três versões. Além da primeira, GLA 200 Advance, que já mencionei, existem a Vision, a R$ 150 mil, e a Black Edition, topo, por R$ 153 mil. No pacote, o motor 1.6 com injeção direta de combustível sobrealimentado por turbo. Leve e eficiente, encontra um casamento feliz com o câmbio de dupla embreagem e sete marchas. Para quem não conhece, o câmbio de dupla embreagem tem sempre a marcha seguinte pré-engrenada e as mudanças se dão muito rapidamente, com aproveitamento total da força do motor, que despeja 156 cv nas rodas da frente. Para os amantes da tração integral, o SUV, por enquanto, é de boutique. Terá a tração nas quatro rodas 4-Matic só na versão GLA 45 AMG, com motor 2.0 de 360 cv, que vai estrear no Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro.
Como diferenciais na versão 1.6, o Mercedinho tem o ‘start-stop’, que desliga o motor em paradas de sinal fechado, alerta de sonolência, luzes de freio mais intensa em freadas de emergência, auxílio de partida em rampa, para os mais barbeiros, e piloto automático, entre outros controles. Para os aficionados, duas opções de telas multimídia, uma com 14,7 cm e outra de 17,8 cm para o consumo de CDs, USB e pareamento Bluetooth. No equipamento mais completo, ainda mapas GPS e internet.
O modelito traz a Classe G no seu nome, mas é melhor no asfalto. As origens do G estão em um jipe parrudo, eficiente na falta de estrada e muito caro, passam pela GLK, um crossoover quadradão, pelo SUV GL e agora chegam ao belíssimo desenho do GLA. Justiça seja feita, um filho bem resolvido da família A.

Argolas ao vento

O elegante Audi A3 Cabriolet está à venda no Brasil com teto de lona e moldura do para-brisa em alumínio, metal que contorna todo o carro.
A marca das argolas aposta forte no crescimento e oferece 12 opções de cores de carroceria e três de capota: marrom, preto e cinza. Sob o capô, motor turbo TFSI de 180 cv. O preço inicial é de R$ 159,8 mil.

Santa paranoia, Batman

Os produtores e as montadoras alimentam o público com fragmentos. Não é diferente no filme Batman X Superman, com estreia prevista para 2016, onde partes de um batmóvel, que mais parecem a de um tanque, surgem nos sites especializados. Para quem gosta de morcegos, como o Coringa, aí está a cereja do filme.

Haja tomada

A chinesa Byd copiava BMWs até outro dia. Agora anuncia que montará elétricos puros no Brasil. Para os que torcem o nariz, vale lembrar que a China é a maior produtora mundial de microchips e componentes eletrônicos, muito consumidos no ocidente.

PONTO-A-PONTO

A queda de braço entre o capo Marchionne, de pullover, e Luca de Montezemolo, de Armani, não só terminou com a saída do executivo da Ferrari. Marchionne quer os ricos e agora vai investir para aumentar a produção da marca de luxo, que poderá chegar às 10 mil unidades anuais. Mais lucro para o grupo, apesar da redução da exclusividade.

A Nissan lançou seu primeiro elétrico na China. Trata-se do Venucia e30, que nada mais é do que o Nissan Leaf com a grade dianteira modificada. O preço inicial do modelo equivale, em yuans, a US$ 43 mil.

O Trail Rated é uma chancela da Jeep que define tudo: o novo Cherokee a merece porque preserva as características de um veículo Jeep. O modelo mostrou em Atibaia, São Paulo, que é de fato muito robusto e encara estradas (?) difíceis com maestria. E ainda traz o máximo da tecnologia, em conectividade e telas de toque. Em três versões, com preços a partir de R$ 159 mil.

A Polaris lança no Brasil seus novos Quads Ranger, em versões Crew Diesel, para até seis ocupantes (R$ 73 mil) e capacidade de 793 Kg mais reboque, e Ranger EV, elétrico (R$ 42 mil) para recargas em tomadas de 110V, com dois lugares side-by-side.

Por R$ 2,4 mil a Renault oferece o câmbio automatizado 5 marchas em seus modelos Logan e Sandero 1.6 8V. Desenvolvido pela ZF alemã, o câmbio é um modelo convencional com atuadores eletroeletrônicos, que entregam também a opção sequencial através de toques na alavanca.

Você pode gostar