Por monica.lima

Em um Salão do Automóvel como o de São Paulo a queda de braço começa bem antes. Os espaços restantes do obsoleto Anhembi provocam os primeiros tapas. Os quadrantes consagrados, no centro 
do Salão, são, desde sempre, das principais montadoras.  As chamadas quatro grandes, Fiat, GM, VW e Ford dividem o quinhão e deixam o resto do território para as demais. É claro que muita gente fica fora. Empurradas pelos custos altos ou falta de novidades, algumas marcas não comparecem à abafada feira bienal. Entre as ausentes, esse ano, as mega feras Ferrari, Maserati e Lamborghini. Donas de vendas residuais e público certo, não precisam pagar os R$ 3,5 milhões, em média, de custos repartidos entre organizadores, montadoras e serviços associados, este, preço dos maiores estandes. Restam as marcas de massa, que apontam leve recuperação pós-Copa.

Teaser do SUV compacto da NissanDivulgação


A batalha pela visibilidade, para quem vai estar lá, no entanto, não se limita ao espaço físico ou ao tempo da mostra. Uma dezena de pré-apresentações pontuam as duas semanas que antecedem o Salão, que abre suas portas ao público quinta-feira, dia 30 próximo. A Honda mostrou antes o Civic Si, a VW alguns conceitos e ‘face-lifts’ etc.

Saídas cinematográficas como a dos ‘teasers’ custam menos e acabam fazendo uma presença, ainda que modesta e fugaz, neste cenário. A Nissan antecipou formas de um SUV compacto (acima), que será conceitual no Salão e merece atenção, porque irá se transformar, em breve, em produto na fábrica de Resende (RJ). Como teaser, entretanto, o contraluz não oferece muitos detalhes e acaba trafegando no deslumbramento da Internet, que de tão veloz e voraz, corre sério risco de desaparecer como surgiu. Os queridinhos da vez, os SUVs, vão estar lá em peso: o Land Rover Discovery Sport, com promessa de fabricação local no Rio de Janeiro, e o protótipo do Honda HR-V (foto ao lado), também a ser montado no interior de São Paulo.

O volume de novidades e de promessas faz com que este Salão seja especial e que, a despeito das prévias, que geram expectativas e vendem ingressos, refletem o vigor do quinto vendedor mundial de carros, com números e propostas nem um pouco virtuais.

PONTO-A-PONTO

? A Toyota ultrapassou os sete milhões de veículos híbridos vendidos no planeta. A marca
foca na propulsão híbrida como estratégia de crescimento sustentável desde o Prius, o mais vendido, que chegou aos 4,7 milhões no mundo todo. Segundo a marca, seus híbridos representam 49 milhões de toneladas menos de CO2  na atmosfera.

? A Lamborghini celebra o sucesso do novo Huracán LP 610-4, depois de receber mil pedidos nos EUA desde o seu lançamento há dez meses. No mundo a marca recebeu 3 mil pedidos firmes para o bólido de 610 cv.

? A Honda vai vender importadas e depois fabricará no Brasil as novas CB650F, naked e CBR 650F, carenada. As quatro cilindros de 85 cv são projetos com maleabilidade urbana e boa disposição na estrada. Terão preços entre R$ 29 mil e R$ 32,9 mil, em versões com e sem freios ABS.

? Clássicos na pista. A Jaguar criou o Jaguar Heritage Driving Experience, na pista de Fen End, Inglaterra. O programa envolve várias experiências de condução de modelos históricos, como o D-Type, XK 150, E-Type e o mais possante da família, o novíssimo F-Type R, com 550 cv.

? O Audi Urban Concept vai desfilar no Anhembi sua aptidão de elétrico urbano. Com 480 kg, dois motores elétricos e 20 CV de potência, o Urban acumula energia em bateria de íons de lítio e tem autonomia média de 70 km.

EcoSport faz escola

O Ford Edge, fabricado no Canadá e vendido por aqui, vai aparecer no Salão de SP com sua nova conceituação. A face familiar lembra muito a do nosso EcoSport, carro mundial da marca. Terá motores 2.0 EcoBoost turbo de quatro cilindros de 245 cv, 2.7 V6 EcoBoost com 300 cv e 3.5 V6 aspirado de 289 cv.

Pesadão na lama

Como em Paris, o Outlander PHEV irá exibir seus atributos híbridos como primeiro SUV ‘plug-in’.
O modelo tem tração integral permanente e uma grande massa de componentes elétricos, como motores e conversores, além do propulsor a gasolina. Por isso, pesam contra ele as quase duas toneladas de peso.

Hondinha protótipo

Exibido em Paris recentemente, o protótipo do Honda HR-V, com as dimensões do Duster, vai ser a atração principal do estande da japonesa. O HR-V divide plataforma com o novo City e será fabricado na nova planta de Itirapina (SP), com motores VTEC 1.5 e 1.8.

Você pode gostar