Honda investe no seu novo SUV compacto

O HR-V chega com status de alavanca para vendas nesses meses de vacas magras

Por O Dia

Excitadíssima com seu lançamento do ano, a Honda não poupa elogios ao filhote HR-V, o crossover compacto que chega com status de alavanca para vendas mais polpudas nesses meses de vacas magras e pneus finos. O novo modelo, um típico crossover, vai utilizar no Brasil o propulsor do Civic, 1.8 litro com comando de válvulas variável i-VTEC e até 140 cv. Terá três opções e acabamento e duas de câmbio: manual seis marchas e CVT com simulação de sete velocidades. A lamentar é a tração dianteira, enquanto que nos EUA o modelo usa tração integral permanente acoplada ao motor 1.5 que equipa o City. Ficaram fora do pacote nacional, ainda, a partida por botão e o teto solar, itens que levariam o carrinho para além dos R$ 90 mil.

O Honda HR-VDivulgação

Estamos hoje no lançamento do HR-V em Brasília onde vamos conhecê-lo com mais vagar em curso urbano e rodoviário. Por enquanto, dá para revelar que o novo Honda tem acabamento de bom nível desde a versão de entrada, a LX, única com o câmbio manual e a opção de CVT. Nas demais, a EX, que deve concentrar o maior volume de vendas, e a ELX, a topo de linha, somente câmbio CVT simulado.

No mais, além dos detalhes nos plásticos e acabamentos de bancos, todos têm o freio de estacionamento eletrônico, que extinguiu a alavanca e aumentou o espaço, banco do motorista com regulagens de altura, volante com regulagens de altura e profundidade, ar-condicionado, assistente de partida em rampa, freios ABS com distribuidor eletrônico de frenagem, som com Bluetooth e comandos no volante, direção elétrica, airbags e freios a disco nas quatro rodas. Nas versões mais caras vêm ainda LEDs indicadores de direção nos retrovisores e, na EXL, os bancos são forrados em couro, o ar-condicionado é digital em uma zona com comandos em tela de toque. Esta versão oferece a tela LCD multimídia de sete polegadas com câmera de ré e os retrovisores com rebatimento elétrico. Os cada vez mais requisitados ‘paddle-shifts’, para mudanças de marcha através de borboletas na coluna de direção, estão nas versões EX e EXL. Com articulação nos bancos traseiros, o HR-V pode transportar volumes grandes como pranchas de surfe. Em posição normal, o porta-malas leva até 437 litros, segundo dados do fabricante. Veja os preços: LX MT – R$ 69.900; LX CVT – R$ 75.400; EX CVT – R$ 80.400; EXL CVT – R$ 88.700.

O novo modelo segue a receita dos irmãos, com importação de partes ‘sensíveis’ como motores, transmissão e eletrônica, e nacionalização do restante.

A marca pretende, com o novo ‘crossover’, abocanhar maior fatia no segmento, uma vez que seu importado CR-V, amarga a 41ª posição no ranking e pode até deixar a gama. <CW-2>Os compactos Fit e City estão na ponta nos seus respectivos mercados e o sedã médio Civic é o segundo em vendas, com indicação de crescimento, em meio ao marasmo do comércio de veículos.

Assim, é claro que o novo Hondinha mira no EcoSport, que custa entre R$ 57,5 mil e R$ 82 mil, e o Duster, que sai desde R$ 55,4 mil até R$ 72,4 mil, cotações da tabela Fipe, com o detalhe que os dois concorrentes oferecem tração 4WD entre suas versões. Mas está claro também que a fabricante pretende melhorar muitas posições no mercado com as vendas do HR-V, produto que tem quase tudo para conseguir isso.

KTM chega poderosa

Alta potência (148 cv) e baixo peso (217 kg) são as características desta bicilíndrica que chega da Áustria. A KTM é uma marca tradicional e a 1190 Adventure é sua maior expressão. Alta e multiuso,
a ‘big trail’ tem quatro modos de pilotagem, controle de tração, painel LCD, regulagem de bancos, freios ABS etc. Custa R$ 79 mil.

Robô ‘valet’

É um teste-piloto que promete inovar e fazer escola. Dois robôs transportam os Audi que deixam a linha de montagem em Ingolstad, na Alemanha. As máquinas avaliam o tamanho do modelo, introduzem uma plataforma e carregam o carro até a vaga mais adequada, serviço que evita o desgaste humano.

O novo pace car

Ele é o primeiro a largar na F1 2015. Na Austrália, domingo, o Mercedes-Benz AMG GT S substitui o SLS AMG como ‘pace car’ da categoria. Modificado, o GT tem gaiola de sobrevivência, giroscópio e motor de 517 cv . Pode chegar aos 310 km/h, depois de atingir os 100 km/h em 3,8s.

Últimas de _legado_Notícia