Por monica.lima
A queda do Bahia é simbólica e representa bem como os times da região se prepararam para as competições das quais participaramDivulgação

Região que mais cresceu no país nos últimos anos e com o maior número de estádios novos e reformados para a Copa do Mundo, o Nordeste viveu um 2014 infernal no futebol. O balanço é trágico. Nenhum time nordestino conquistou títulos nas quatro divisões oficiais do Campeonato Brasileiro. Além de não erguer troféus, sequer conseguiram chegar às finais da Série C e D, a terceira e quarta divisões, algo que há anos não acontecia.

Mas o fiasco não parou por aí. A região contabiliza cinco rebaixamentos: treze da Paraíba na Série C; América do Rio Grande do Norte e Icasa do Ceará na Série B e os populares e badalados Bahia e Vitória na Série A. A queda do tricolor baiano é simbólica e representa bem como os times da região se prepararam para as competições das quais participaram. Esvaziado, o Bahia viajou com apenas 18 de 23 jogadores possíveis para Curitiba, onde a derrota para o Coritiba sacramentou o rebaixamento do time de Caetano Velloso e Gilberto Gil. Vexame semelhante protagonizou o arquirrival Vitória. Com o empate do Palmeiras com o Atlético-PR, o rubro-negro dependia de uma vitória contra o desinteressado Santos. Conseguiu perder por 1 x 0. Com isso, o Sport-PE será o representante solitário da região na elite do país em 2015. O único “consolo” foram os acessos do Confiança de Sergipe para a Série C e do CRB de Alagoas para a Série B. Muito pouco para uma região que desde 2013 organiza o mais bem-sucedido torneio regional do País: a Copa do Nordeste. Mas até agora a simpática Lampions League tem sido um sucesso apenas fora de campo.
Publicidade
Fracasso em campo e sucesso de bilheteria
Os nordestinos não mereciam o vexame que seus times deram em 2014. Fora de campo, continuaram dando show e lotando estádios e arenas. O maior público do ano em jogos de clubes no país é do Fortaleza na partida em que o tricolor cearense viu suas chances de acesso à Série B morrerem aos pés do Macaé. Na tarde de 25/10, 62.525 tricolores lotaram a Arena Castelão no empate com a equipe do norte fluminense.
Publicidade
City apresenta o melhor CT do mundo
O Manchester City apresentou ontem aquele que muitos já consideram o mais moderno Centro de Treinamento do mundo. Após seis anos de obras e um investimento de R$ 800 milhões, a City Football Academy conta com um área de 320 mil m2, que abriga 16 campos de futebol, academia e um estádio para sete mil torcedores. Só três Arenas da Copa de 2014 custaram mais do que o CT do City.
Publicidade
Número da semana
R$ 229 mi: Esse foi o valor captado em 2013 nos projetos da Lei de Incentivo ao Esporte. Segundo o Ministério do Esporte, a lei beneficiou cerca de 700 mil esportistas no ano passado. Hoje à noite serão conhecidas as empresas que mais investiram em iniciativas em 2014. A cerimônia será no Clube Pinheiros, em São Paulo.
Publicidade
INVESTCRAQUE
Cesar Cielo, nadador campeão olímpico e mundial
Publicidade
Maior nome da história da natação brasileira, Cesar Cielo conquistou no último final de semana três medalhas de ouro no Mundial de Piscina Curta de Doha, no Catar. Agora, o gênio brasileiro das piscinas soma 16 medalhas em mundiais, sendo 11 de ouro, uma de prata e quatro de bronze. Isso fora suas três medalhas olímpicas: ouro nos 50 metros livres em Pequim-2008 e bronze nos 100m livres, também em Pequim-2008 e nos 50m livres em Londres-2012. Cielo é também o recordista mundial dos 50m e 100m livres. Uma das maiores esperanças de medalha nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016 — que provavelmente será sua última olimpíada em alto nível — , “Cesão” tem cerca de 80% do patrimônio investido em imóveis para locação em São Paulo e Santa Bárbara do Oeste, sua cidade natal no interior paulista. O restante está pulverizado em caderneta de poupança, aplicações bancárias convencionais e sociedade em um restaurante.
Publicidade
Você pode gostar