Por monica.lima
Enquanto o Palmeiras tem a camisa mais valiosa do Brasil%2C o Santos está sem patrocínio principal há mais de dois anosAle Vianna/ Agência O Dia

Das finais de torneios estaduais que envolvem grandes times, a do Paulista é que apresenta o maior desequilíbrio financeiro. Palmeiras e Santos fazem o duelo do tostão contra o milhão. De um lado está o Palmeiras, o novo rico do futebol paulista. Em poucos meses o clube viveu uma das maiores revoluções de sua história. Enfiado em dívidas, se aguentou nos últimos anos graças ao dinheiro de seu presidente mecenas, o milionário do setor financeiro, Paulo Nobre. Após dois anos sem patrocínio master de camisa, acertou com a Crefisa, além de mais dois parceiros, Faculdade das Américas e Prevent Senior. Ao lado da operadora TIM, os novos apoiadores fizeram da camisa do Palmeiras a mais valiosa do Brasil , gerando receita de R$ 50 milhões/ano. O clube foi também o que mais faturou com bilheteria no Paulistão, com o acumulado de R$ 15,2 milhões de renda líquida. Para completar, seu programa sócio torcedor, o Avanti, registrou uma explosão de adesões em 2015, chegando a marca de 117,5mil associados.

Do outro está o Santos, que ainda vive a ressaca dos anos Neymar. Endividado, com o número de sócios torcedores estagnado em 57 mil, mais da metade inadimplentes, atuando em um estádio pequeno e antigo e sem patrocínio principal há mais de dois anos, o clube aproveitou a exposição da final do Paulista para poluir seu uniforme com patrocínios pontuais. No domingo foram seis: Joli, Museu Pelé, Cidade de Santos, Calçados Rafarillo, 99Taxis e Dolly. Mas como dinheiro nem sempre traz felicidade, uma vitória por dois gols no domingo dará ao Santos o 21º título Paulista de sua história.

Odebrecht pode ficar com CIDs da Arena

A Odebrecht pode assumir a comercialização de parte dos R$ 420 milhões emitidos pela Prefeitura de São Paulo em Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs) para o financiamento da construção da Arena Corinthians. Pela demora na venda desses títulos, a construtora confirmou à coluna que estuda tocar a operação de venda dos certificados, apesar da ação do MP paulista, que questiona a legalidade da medida.

Corintiano na luta para resgatar a Lusa

Economista e ex-diretor de marketing do Corinthians, Luiz Paulo Rosemberg está empenhado na missão de resgatar a Portuguesa. Semana passada, o ex-dirigente deu palestra num simpósio organizado por empresários e torcedores da Lusa. Ele contou como o Corinthians saiu do rebaixamento à Série B do Brasileiro em 2007 para a conquista do Mundial de Clubes em 2012.

Número da semana

R$ 1,5 milhão: Esse foi o investimento da Caixa na organização do Open Caixa Loterias de Atletismo e Natação Paralímpicas realizado entre quinta e sábado da semana passada em São Paulo. Com a participação de 24 países e 597 atletas, foi a maior competição do esporte paralímpico realizada no país desde o Parapan do Rio de 2007.

INVESTCRAQUE

Fofão, levantadora campeã olímpica em Pequim/2008

Domingo passado, Fofão encerrou sua vitoriosa carreira no vôlei brasileiro. E com mais um título. A levantadora comandou o Rexona-Ades na conquista da décima Superliga do time, sua quinta individual. Titular na equipe da primeira medalha de ouro feminina em Pequim/2008, ela forma com Fernanda Venturini e Isabel o trio de ouro das levantadoras da história do esporte no país. Foras das quadras, Fofão irá administrar seu patrimônio dividido em imóveis para locação em São Paulo (55%), Previdência Privada, fundos LCA e Bolsa.

Você pode gostar