Seguro de Si

Cobertura de Museu Nacional seria vetada por seguradoras, diz especialista

Especialista em Gestão de Risco diz que apólices seriam vetadas por causa das péssimas condições de conservação de prédio destruído por incêndio

Atualizado às 05/09/2018 06:28:03

Rio - O incêndio que destruiu o Museu Nacional expôs a precariedade na estrutura de prédios históricos no país. Mas também colocou em evidência o abandono e a inexistência de políticas públicas para conservar a memória do país. Sem seguro e brigada de incêndio, o museu teve 90% do seu acervo consumido pelas chamas. "Não existia aqui no museu e acredito que em nenhum outro museu exista uma brigada de incêndio. Este é um 'custo a mais'. Nenhuma peça era assegurada que eu saiba", afirmou Cristina Serejo, vice-diretora do museu, em entrevista concedida ontem de manhã.

Um cenário que não surpreende quem atua no ramo. Sérgio Ricardo de Magalhães Souza, professor da Escola Nacional de Seguros e especialista em Gestão de Risco, acredita que uma eventual cobertura nesse tipo de local seria vetada pela própria seguradora. "Existe uma obrigatoriedade de seguro por lei. Como a administração pública está vinculada à lei das licitações, é preciso construir um edital para cotações. Mas isso não quer dizer que uma seguradora vai cobrir um local em péssimas condições", argumenta.

Incndio destruiu Museu Nacional

ÁGUA QUE APAGA A HISTÓRIA

Para o especialista, combater o incêndio com água, o único recurso disponível, mostra o despreparo para lidar com a situação. A primeira etapa é detectar o calor e a fumaça para agir rapidamente, o que não ocorreu porque o pé direito do prédio é muito alto. Em seguida, o ideal seria utilizar extintores de incêndio, que não estavam disponíveis no local. "A primeira ação de combate a incêndio em museu não é água. O uso do gás carbônico dos extintores, por exemplo, não deixa sequelas no local. Se o fogo não puder ser controlado dessa forma, aí sim entra a água. Mas é o pior dos recursos, porque não permite a preservação", explica Sérgio Ricardo.

Peritos da Polcia Federal realizam percia no Museu Nacional

INEXISTÊNCIA DE CÓDIGO NACIONAL DE INCÊNDIO

O especialista critica a inexistência de um código nacional de incêndio capaz de adotar medidas de preservação do patrimônio público. "Se não tem gerenciamento de risco, não tem seguro. Estamos falando de um negócio, que envolve proteção financeira. Nenhuma seguradora se interessaria em fazer seguro para um lugar que está caindo sozinho. Aquele prédio de 200 anos com uma estrutura cheia de instalações elétricas improvisadas e produtos inflamáveis não tinha as mínimas condições para abrigar um acervo histórico", critica.

  • Seguro de Si -  29/08/2018
  • Carros recuperados podem parar na frente das delegacias do Rio
  • Com estoque de 8,5 mil veículos, pátio legal corre o risco de fechar por superlotação. Setor de seguros se mobiliza em busca de solução
  • Empregos e Negócios -  19/07/2018
  • Escola Nacional de Seguros oferece desconto em ação promocional
  • Entidade dará benefício de 47% no valor de cursos oferecidos no Rio e em outras nove cidades
  • Seguro de Si -  16/05/2018
  • Ataques cibernéticos entram na rota de empresas e seguradoras
  • Lei europeia que irá aplicar multas a empresas por vazamento de informações entra em vigor na próxima semana
  • Esporte - 22/09/2018
  • América vence e dá passo importante para voltar a Série A do Campeonato Carioca
  • Clube venceu o Sampaio Corrêa e garantiu uma vaga na seletiva pra voltar a elite do Carioca
  • Esporte - 22/09/2018
  • Ronaldo Fenômeno pode voltar a treinar com clube espanhol
  • Ex-jogador pretende auxiliar nas atividades do Valladolid, time que comprou recentemente
  • Esporte - 22/09/2018
  • Presidente do Cruzeiro mostra confiança para contar com Dedé contra Boca
  • Presidente falou sobre carta que a CBF enviou para a Conmebol: 'tomou de fato as dores'