Servidor

Governo Pezão teme não pagar o décimo terceiro salário do funcionalismo

Array

Atualizado às 12/09/2018 05:11:27

O décimo terceiro salário do funcionalismo do Estado do Rio tem sido motivo de preocupação pelos corredores do Palácio Guanabara. Com a incerteza sobre o projeto do Refis na Assembleia Legislativa (Alerj), a equipe econômica do governo teme não ter recursos suficientes para pagar o abono no fim do ano.

Ainda que o governador Luiz Fernando Pezão já tenha dito que busca outras medidas para que a quitação do abono de Natal não fique para seu sucessor  — como a Coluna mostrou na edição de domingo, dia 9 —, ontem, ele admitiu que teme o cenário. Pezão disse que contava com a receita, de cerca de R$ 1 bilhão, que poderia ser gerada pelo programa de refinanciamento de dívidas que empresas têm com o estado.

A votação do PLC 56 (do Refis) ainda tem que ser concluída. O texto-base chegou a ser aprovado, mas a Casa ainda tem que analisar dois destaques — de Paulo Ramos (PDT), que inviabiliza a venda da Cedae, e outra da Enfermeira Rejane (PCdoB), que permite a adoção do PCCS da Saúde sem aval do Conselho de Supervisão do Regime de Recuperação Fiscal.

O governo afirma que as emendas põem em risco o regime, e articulou com o presidente em exercício da Alerj, André Ceciliano (PT), para que, por enquanto, a proposta não volte à pauta.

Como alternativas ao Refis, o governador apontou a homologação da concessão da CEG e a licitação das linhas de ônibus intermunicipais — somadas, dariam R$ 1,6 bilhão. A ideia é que as medidas possam sair do papel até novembro, mas não há nada garantido.

Alerj garante receita a mais para a previdência

Se a previdência era o 'calcanhar de Aquiles' das finanças do estado, hoje, diversas ações para o reforço de caixa vêm sendo propostas pelo Legislativo. Ontem, os deputados da Alerj aprovaram projeto que destina ao Rioprevidência os futuros repasses que a União fará ao estado como compensação financeira pela desoneração do ICMS das exportações prevista pela Lei Kandir.

Governador vai sancionar

O projeto, dos deputados Luiz Paulo (PSDB), Waldeck Carneiro (PT), Paulo Ramos (PDT) e André Ceciliano (PT), inclui o pagamento retroativo ao período compreendido entre 1997 e 2018. À Coluna, Pezão disse que vai sancionar a proposta. A forma de cálculo dessas compensações do governo federal aos estados será formulada pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

  • Servidor -  18/09/2018
  • Emenda aprovada pela Alerj abre caminho para Cedae ser federalizada
  • Servidor -  18/09/2018
  • Alerj conclui votação do Refis e governo está mais perto de pagar o 13º do funcionalismo
  • Informe do Dia -  18/09/2018
  • 'Governo Pezão vai ser considerado um dos melhores que o Rio já conheceu', diz Dornelles
  • Aprovação do gestor hoje, porém, está em 3% segundo Datafolha. Vice-governador minimiza: 'As medidas de controle (austeridade) são a razão dessa impopularidade'
  • Esporte - 20/09/2018
  • Chelsea, Arsenal e Sevilla estreiam com vitória na Liga Europa
  • Finalista da última edição, o Olympique de Marselha foi a surpresa ao perder por 2 a 1 para o Eintracht Frankfurt
  • Eleições - 20/09/2018
  • Presidenciáveis fazem campanha em São Paulo nesta quinta-feira
  • Haddad, Ciro, Alckmin e Marinam cumprem agenda em São Paulo; Bolsonaro passa por novo procedimento e evolui sem dor
  • Celebridades - 20/09/2018
  • Slam Tagarelas realizam duelos de poesias pelo Rio de Janeiro
  • Projeto completa 5 anos de existência espalhando cultura em versos pela cidade