Oito dicas para valorizar seu carro usado na hora da venda

Além da quilometragem e ano de fabricação, pintura, manual e chave reserva podem reduzir a depreciação

Por O Dia

Carros usados com mais de quatro anos cresceram em vendas
Carros usados com mais de quatro anos cresceram em vendas -

Rio - Para fazer um bom negócio na hora de vender o seu usado ou seminovo, é importante que o proprietário cuide bem do seu automóvel. Quilometragem, ano de fabricação e modelo são os primeiros pontos avaliados pelo comprados. Contudo, revisões feitas, pintura original e pneus em boas condições, por exemplo, são diferenciais que também evitam a desvalorização do bem.

Nesse sentido, o DIA conversou com especialistas da Kelley Blue Book Brasil (KBB), site de comparação de preços, e elaborou uma série de dicas para que o processo natural de depreciação do automóvel seja atrasado e, então, o proprietário consiga fechar um negócio mais vantajoso. Confira: 

1. Histórico de manutenção impecável

Um carro com histórico de manutenção em concessionária costuma ter um valor de mercado superior. Conserve todos os comprovantes de revisões e de eventuais consertos. Segundo especialistas, as despesas com manutenção não devem ultrapassar em 20% o valor do veículo antes de revendê-lo.

2. Mecânica em dia

A maior parte dos problemas mecânicos são resultado da falta de manutenção e de cuidados. Troque os filtros com regularidade e controle o nível de óleo do motor duas vezes por mês ou antes de uma viagem mais longa. Manter a mecânica do veículo em bom estado permite vendê-lo a um preço melhor.

3. Proteja a pintura

Deixar o carro exposto ao sol, chuva, vento ou sujo de insetos, frutas, poeira, areia e fezes de pássaros pode castigar a pintura. Sempre que possível, evite deixar o carro sujo por tempo demais. Além disso, aplique cera duas ou três vezes por ano para proteger a pintura. Isso fará milagres na hora da avaliação.

Carros que rodam em zona de praia costumam ser afetados pelo sal e oxidação. Uma ducha com água na carroceria já reduz o risco de ferrugens.

4.Pneus

Não há necessidade de colocar pneus novos para valorizar o carro para venda, mas deixá-los em bom estado ajuda na aparência do veículo. Calibre-os com frequência, pois circular com a pressão dos pneus baixa danifica as bandas dos pneus, reduz a sua vida útil e aumenta as probabilidades de furos. Além disso, nas lavagens, utilize sempre produtos neutros para não danificar as borrachas.

5. Rotinas de limpeza

Carros sujos ou com odores desagradáveis são menos valorizados na hora da venda. Para os motoristas fumantes, é indicado não fumar no interior do automóvel. Outro fator importante é limpar todos os revestimentos com produtos específicos pelo menos uma vez por semana.

6. Não ter batidas graves

Avarias graves, que comprometem a estrutura do automóvel, podem afetar o valor da venda em até 50%. Já pequenos riscos, arranhões ou amassados na lataria são menos decisivos no valor final do veículo usado, principalmente se a negociação for feita com revendedoras. 

7. Cuidado com o manual e a chave reserva

Uma documentação preservada do veículo ajuda na confiança do comprador. Ter a chave reserva do veículo também é um diferencial importante na hora da venda. Na concorrência entre veículos de mesmo valor e estado de conservação, o que tiver manuais e chave reserva sai ganhando.

8. Conheça o valor de revenda

Para obter sucesso na venda de um seminovo, não basta ter um bom veículo e em bom estado de conservação. É preciso conhecer os preços de compra e venda praticados no mercado. A primeira ação necessária para quem tem interesse em vender seu automóvel é saber o preço real do veículo. 

A avaliação pode levar em consideração o preço praticado em revendedoras, concessionárias, lojas, tabela FIPE ou, também, no site kbb.com.br.

Últimas de Automania