Renault Duster CVT 1.6 tem preço competitivo, mas peca no acabamento interno

Versão Dynamique com câmbio automático foi avaliado pelo DIA durante uma semana

Por Lucas Cardoso

Graças às boas medidas de ataque (30°) e saída (35°), modelo da Renault é versátil. Central multimídia é prática, mas posição baixa no console atrapalha. Rodas são de 16 polegadas
Graças às boas medidas de ataque (30°) e saída (35°), modelo da Renault é versátil. Central multimídia é prática, mas posição baixa no console atrapalha. Rodas são de 16 polegadas -

Rio - Aumento de preços e competição tornaram o Renault Duster uma boa opção quando o assunto é custo-benefício. Mesmo com a sua falta de renovações estéticas, o SUV sai da concessionária por R$ 81 mil com transmissão automática CVT e um bom motor 1.6 de 16 válvulas mais potente em relação ao utilizado na linha anterior. O preço é inferior ao cobrado pela maioria dos concorrentes, mas seu projeto antigo pesa contra.

Durante uma semana, o DIA rodou pouco mais de 250 quilômetros com a versão Dynamique do SUV. No trajeto, que combina trechos urbanos e rodoviários, o desempenho do motor da família SCe capaz de gerar até 120 cavalos de potência foi satisfatório. Combinado com o câmbio CVT, o conjunto é melhor em retomadas do que em acelerações, sempre priorizando o conforto. Ou seja, nada de esportividade.

No teste, abastecido com etanol, o modelo rendeu 7,7 km/l. O resultado é bom, principalmente se levarmos em consideração o peso do modelo (1.240 kg). Apesar disso, o desempenho poderia ser melhor se o modelo tivesse o sistema start-stop, já presente em outros modelos da marca, como Logan e Sandero. Há uma opção de modo Eco no console, que foca no baixo consumo. Mas ela deixa as respostas ao pedal do acelerador do SUV ainda mais lentas. A direção eletro-hidráulica bem ajustada é firme na hora de guiar, mas poderia ser mais leve em manobras de estacionamento.

Ergonomia

Ao volante, fica a sensação de que a ergonomia poderia ser melhor. Falta ajuste de profundidade no volante. E, por ser um projeto antigo, itens como multimídia e controles do ar-condicionado estão em posição desfavorável para a condução. Chamada de Media Nav, a central possui câmera de ré e um sistema de monitoramento da condução, que pontua a direção favorecendo o baixo consumo. O modelo contava com dois opcionais: bancos de couro em dois tons (preto e marrom) e piloto automático.

Espaço interno

Quando o assunto é espeço interno, o Duster é exemplo. O modelo o bom entre-eixos de 2,67 metros. Na categoria dos SUVs compactos, ele é um dos poucos que acomoda bem cinco adultos. Pena ter um acabamento tão simples e antigo. A maioria das partes plásticas até encaixa bem. Contudo, alguns parafusos visíveis incomodam. O porta-malas de 475 l também é referência no segmento.

No quesito segurança, o modelo conta com airbags frontais, controle eletrônico de estabilidade e tração e assistente de partida em rampa. Fica devendo o cinto de três pontos para todos que sentam atrás.

Galeria de Fotos

Posição baixa do multimídia no console não favorece a condução Divulgação
Câmbio automático do tipo CVT foi importado da Nissa Lucas Cardoso
Versão é equipada com câmera de ré e sensores traseiros de estacionamento Lucas Cardoso
Rodas aro 16 cinzas são destaque da versão Dynamique Lucas Cardoso
Lançado em 2011, modelo espera lançamento de nova geração já vendida em outros mercados Lucas Cardoso
Graças às boas medidas de ataque (30°) e saída (35°), modelo da Renault é versátil. Central multimídia é prática, mas posição baixa no console atrapalha. Rodas são de 16 polegadas fotos Lucas Cardoso

Comentários

Últimas de Automania