Renegade se sai bem na trilha e na cidade

SUV da Jeep com tração integral 4x4 passa no teste em todos os terrenos e ainda consegue ser econômico. Linha 2019 mudou para melhor

Por Lucas Cardoso

As sete fendas da grade  na nova linha passaram por ajustes e ficaram mais longas e estreitas
As sete fendas da grade na nova linha passaram por ajustes e ficaram mais longas e estreitas -

Rio - Três anos após debutar no mercado nacional, o Jeep Renegade ganhou sua primeira repaginada de estilo, em outubro do ano passado. Pequenos retoques visuais, novos preços e equipamentos deixaram o modelo mais competitivo para voltar a brigar pelo topo do segmento. Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), as mudanças vêm dando resultado, já que o modelo foi o SUV mais vendido de dezembro, com mais de cinco mil unidades, superando o irmão mais caro Compass.

Durante duas semanas, o DIA rodou por mais de 1.200 quilômetros a bordo da versão trilheira do SUV, a TrailHawk. O trajeto percorrido com o veículo de tração 4x4 contou com trechos urbanos e também fora de estrada. A versão com motor 2.0 a diesel, capaz de gerar 170 cavalos, cobra caro (R$ 136.390) pelo bom desempenho, mas anima pela versatilidade e pelo baixo consumo de combustível: 11,7 km/l.

No visual, a dianteira do modelo recebeu o maior número de mudanças. Agora, o para-choque e a grade com as setas fendas tem novo desenho. Outra mudança é o novo conjunto de iluminação dianteiro todo em LED exclusivo das versões TrailHawk e Limited. À noite, o sistema se destaca e atrai olhares nas ruas.

Os faróis da linha 2019 ganharam novo conjunto de iluminação totalmente em LED e novo desenho, que deixou o visual mais 'marrento' - Lucas Cardoso

Experiência ao volante

O propulsor a diesel garante bom desempenho para o SUV. Com todo o torque de 35,7 quilos já a 1.750 giros, respostas rápidas em retomadas, ultrapassagens e saídas não foram tarefa difícil. Em parte, o resultado positivo é facilitado pela boa configuração do câmbio automático de nove marchas. A direção com assistência elétrica também joga a favor do grandalhão de 1.674 kg.

Em solos acidentados, a tração integral e o sistema com seletor de terrenos e bloqueio de diferencial facilitam a vida. Na maior parte do tempo, o modo mais indicado é o automático, que se adequa às condições de solo para garantir uma circulação mais confortável e eficiente. A suspensão mais elevada, em comparação com as outras versões, mostrou ótima absorção de impactos, além de deixar a configuração trilheira com melhor ângulo de ataque (30º).

Ao contrário do modelo oferecido em outros mercados, a parte traseira do Renegade nacional não teve mudanças significativas. Aliás, a única mudança visível foi a instalação de um puxador para a tampa do porta-malas - Lucas Cardoso

Durante o período de avaliação, tal medida foi importante para evitar acidentes corriqueiros como raspadas de para-choque em rampas de acesso. Outras peças, como os protetores de transmissão e tanque, também mostraram características favoráveis, principalmente quando o terreno era mais acidentado.

O trabalho do sistema de suspensão ainda colabora para o baixo nível de ruído interno. A capacidade de se manter silencioso surpreende, inclusive em meio ao caos do trânsito e em momentos de giros altos do motor. Basta levantar o vidro para ter o silêncio quase que completo.

Diferente do restante da linha, versão TrailHawk traz acabamentos em vermelho fosco no interior da cabine - Lucas Cardoso

O visual quadradão e alto do Jeep é bonito de se ver, mas cobrou da aerodinâmica em altas velocidades e do comportamento em curvas, onde se percebe algum rolamento da carroceria. A situação é equilibrada pelos controles eletrônicos de estabilidade e tração. Há, ainda, assistente de partida em rampa.

No interior, o bom acabamento continua impecável: materiais de toque agradável, com boa mistura de textura e até um vermelho fosco aqui e acolá. Os bancos e volante em couro com costuras vermelhas dão um charme a mais ao SUV. No quesito ergonomia, há ajustes manuais de altura e profundidade, tanto no volante quanto no assento.

Maior da categoria, a central multimídia de 8,4 polegadas do Renegade, agora, agrega os controles do ar-condicionado digital de duas zonas - Lucas Cardoso

Outro diferencial do modelo é a central multimídia com tela de 8,4 polegadas, maior da categoria, posicionado ao centro do painel. O sistema tem comandos práticos, bom visual e inclui os controles do ar-condicionado. Contudo, peca por não oferecer a função de navegação independente. Pode parecer besteira, já que o GPS pode ser espelhado direto do smartphone, mas há regiões remotas, como trilhas e serras, onde o sinal de celular é inexistente.

O painel de instrumentos digital mostra o suficiente. E ainda permite acompanhar a pressão dos pneus e analisar o consumo de combustível em tempo real.

Galeria de Fotos

Ao contrário do modelo oferecido em outros mercados, a parte traseira do Renegade nacional não teve mudanças significativas. Aliás, a única mudança visível foi a instalação de um puxador para a tampa do porta-malas Lucas Cardoso
Consumo de combustível da versão em perímetro misto foi ótimo para um modelo com quase uma tonelada e meia Lucas Cardoso
Diferente do restante da linha, versão TrailHawk traz acabamentos em vermelho fosco no interior da cabine Lucas Cardoso
O volante multifuncional tem os controles da central multimídia, de chamadas e, também, do piloto automático Lucas Cardoso
Modelo conta com apoio de cabeça e cinto de três pontas para todos os passageiros Lucas Cardoso
O Renegade 4x4 conta com sistema seletor de terrenos e bloqueio de diferencial eletrônico. A transmissão é automática de nove velocidades Lucas Cardoso
Maior da categoria, a central multimídia de 8,4 polegadas do Renegade, agora, agrega os controles do ar-condicionado digital de duas zonas Lucas Cardoso
A versão trilheira do Renegade utiliza o motor 2.0 a diesel de 170 cavalos de potência e 37,5 quilos de torque. Versão rendeu 11,7 km/l em trajeto misto Lucas Cardoso
A porção dianteira do Renegade recebeu a maior parte dos ajustes estéticos aplicados na linha 2019 Lucas Cardoso
Modelo traz bom nível de acabamento interno. Materiais tem boa textura e encaixe sempre perfeito. Lucas Cardoso
Os faróis da linha 2019 ganharam novo conjunto de iluminação totalmente em LED e novo desenho, que deixou o visual mais 'marrento' Lucas Cardoso
Diferente do porta-malas do restante da linha, que cresceu quase 50 litros graças à adoção do estepe temporário, a configuração trilheira manteve a roda tradicional e, por consequência, a mesma capacidade 273 l Lucas Cardoso
As rodas da versão TrailHakw são de 17 polegadas e tem acabamento em preto. Os freios são a disco nas quatro rodas Lucas Cardoso
As sete fendas da grade na nova linha passaram por ajustes e ficaram mais longas e estreitas Lucas Cardoso
Versão 4x4 tem bloqueio do diferencial eletrônico ativado por sistema do freio ABS Fotos de Lucas Cardoso
O para-choque dianteiro do Renegade 2019 perdeu spoiler na parte inferior para ter melhor ângulo de ataque (30º). Peça era alvo de reclamações de proprietários Lucas Cardoso

Comentários

Últimas de Automania