Manifestações são legítimas, mas impeachment é inviável, diz Temer

Vice-presidente da República afirmou que isto "é uma quebra da institucionalidade que não é útil para o país"

Por douglas.nunes

O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta sexta-feira que manifestações populares são legítimas, mas classificou a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff como "absolutamente inviável".

"A história do impeachment eu nem falo, porque é uma coisa, ao meu modo de ver, absolutamente inviável, impensável", disse a jornalistas em Belo Horizonte, ao ser questionado sobre as manifestações programadas no domingo.

"Isto é uma quebra da institucionalidade que não é útil para o país."

Mas ele considera legítimas manifestações populares pacíficas. "Não há coisa melhor para a democracia."

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) protocolou na quinta-feira um pedido de impeachment da presidente, argumentando que ela é omissa no combate à corrupção.

O deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) anunciou no mesmo dia o lançamento de um abaixo-assinado com objetivo de coletar um milhão de assinaturas para pedir formalmente o impeachment da presidente.

Além de sentir os efeitos das denúncias de corrupção na Petrobras, o governo é alvo de insatisfação popular em meio a suas medidas de ajuste fiscal.

Sobre a crise política entre governo e Congresso, principalmente com o maior partido da base, o PMDB, Temer afirmou que a "tensão institucional" será resolvida com diálogo.

Segundo o vice-presidente, haverá, na próxima semana, uma reunião com lideranças no Congresso para discutir, entre outros temas, as medidas de ajuste enviadas pelo governo ao Legislativo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia