Coluna Esplanada: Mudanças na PF e MJ

Novo ministro da Justiça vai substituir sete diretorias da pasta e trocar o comando de um dos principais departamentos da Polícia Federal. No ministério, secretária entregou o cargo

Por cadu.bruno

Rio - A alegação de que não vai haver mudanças imediatas é balela. Ligado ao chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, o novo ministro da Justiça, Wellington César, vai substituir sete diretorias da pasta e trocar o comando de um dos principais departamentos da Polícia Federal. No ministério, a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, já entregou o cargo na sexta. Na Polícia, ele troca o comando da Logística, responsável pela inteligência das operações sigilosas. O atual diretor-geral da PF, Leandro Daiello, fica até agosto por causa dos Jogos do Rio. O futuro diretor é Rogério Galloro.

Vem mais
O plantão ontem do ministro Teori Zavascki no STF e o desembarque de cem policiais federais em quatro capitais, desde sábado, apontam que vem forte operação da Polícia Federal.

Op. Acarajé 2
Há uma barraca de venda de acarajés ao lado do Ministério da Justiça. Nos últimos dias, o cheiro tomou corredores. Virou hábito diário a degustação por servidores.

Ôh de casa!
O AGU José Eduardo Cardozo não dormiu por três noites até sua saída do MJ. Fez barulho, falou alto ao telefone. Vizinhos do flat enviaram bilhete através do síndico.

Bom dia, chefe
Missão hercúlea do novo ministro da Justiça: No 1º dia de trabalho após nomeação, acordou a presidente Dilma às 6h30 para avisar da condução de Lula pela PF.

O bunker
O senador Delcídio do Amaral fez a delação numa sala-bunker, à prova de som, no Ministério Público Militar em Brasília. Foi a mesma por onde passou Ricardo Pessoa, da UTC.

Paulo SkafDivulgação

Índice SDU
Nota-se a recessão na economia também pelo ‘índice Santos Dumont’, cujo pátio lotava-se de jatinhos nos fins de semana. Ontem, só havia três jatos, o maior deles o PR-NIO da família Moreira Sales.

Presidente da Fiesp, Paulo Skaf convocou os diretores e conselheiros para reunião de emergência hoje na sede, sobre a crise no país. A turma fez prévia por telefone neste domingo.

Caneta atômica
A ex-deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) incomoda militares. Foi nomeada pelo ministro Aldo à Secretária de Produtos do Ministério da Defesa. Controla compras e contratos numa carteira de 220 empresas. Um general passou a acompanhar de perto.

Em casa
O futuro secretário executivo da Aviação Civil na gestão de Mauro Lopes, José Alexandre, é filho do saudoso ex-senador por Minas Eliseu Resende.

Distância
Ex-homem forte do PT e de Lula, com quem tinha relação diária, Tarso Genro não fala com o ex-presidente há três meses. E com Dilma, desde o início do ano passado.

Olheiros
Pode ser só turismo. Agentes do Mossad, a inteligência de Israel, foram vistos em um famoso american bar de Brasília. Há também oficiais cubanos e venezuelanos na cidade.

Roda o globinho
Um figurão do setor crava: hoje existem 2 mil bingos em atividades apenas na Grande São Paulo. Seguem no Congresso projetos pela legalização.

Rebelião silenciosa
Auditores da Receita Federal, indignados com a morosidade das negociações salariais, fazem operação padrão. Batem ponto, mas desligam os computadores terças e quintas.

Índice Renegade
Exemplo do custo Brasil na crise. Apesar de fabricado no Brasil, o queridinho Renegade básico custava R$ 69 mil ano passado. Na tabela de hoje está a R$ 81 mil.

#campo
Peritos federais agrários preparam ofensiva no campo e redes sociais contra o Incra e o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Em 2015, não houve desapropriação de terras.

Gratidão, que nada
O advogado Luís Henrique Machado, quem tirou o choroso Delcídio da cadeia, pulou fora. Esteve com o petista e perguntou da suposta delação. Delcídio negou várias vezes.

Ponto final
Gregório Duvivier disse que plantar maconha em casa é desobediência civil que vale a pena: “A lei é estúpida”. Não foi piada, foi no debate do Comunica Que Muda.

Coluna de Leandro Mazzini com Walmor Parente e Equipe DF, SP e Nordeste

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia