Itens domésticos são os maiores focos do Aedes aegypti em SP

Casos de dengue caíram 13% em 2016

Por thiago.antunes

São Paulo - Recipientes domésticos usados para armazenamento improvisado de água, como baldes e regadores, foram os principais responsáveis pelo aparecimento de novos criadouros do mosquito Aedes aegypti no município de São Paulo em fevereiro. No segundo mês do ano, esses utensílios representaram 32,4% dos recipientes com larvas.

Em seguida, vêm caixas d'água (7,5%), pratos (7,5%) e latas ou frascos de plástico (6,9%). Os dados foram divulgados ontem pela Secretaria Municipal de Saúde.

Segundo o secretário Alexandre Padilha, os resultados mostram a consolidação de uma tendência que já vinha sendo observada desde 2015: “O principal fator dentro da casa das pessoas, de foco larvário do mosquito da dengue, da chikungunya e do zika vírus são exatamente tonéis, caixas d’água, depósitos para reservar água com a preocupação da não oferta de água na cidade de São Paulo, principalmente na periferia”, explicou Alexandre Padilha.

Dados da secretaria mostram que, até a sexta semana epidemiológica (segunda semana de fevereiro), foram confirmados 1.983 casos de dengue em toda a cidade. No mesmo período de 2015, houve 2.280 casos confirmados, ou seja, uma queda de aproximadamente 13%. A zona leste da capital continua sendo a região mais afetada, e Lajeado, com 159 casos, e Penha, com 109, os bairros mais atingidos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia