Teori Zavascki homologa delação premiada do senador Delcídio Amaral

Petista citou nome da Presidenta Dilma Rousseff, além de delatar cinco colegas de senado, entre eles Aécio Neves

Por rafael.souza

Brasília - O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), homologou nesta terça-feira a delação premiada do senador Delcídio Amaral (PT-MS).

LEIA TAMBÉM: Em delação Delcídio acusa Dilma de intervir na Lava Jato

Vítima da própria delação, Delcídio deve ser cassado

Senador Delcidio Amaral (PT-MS) Marcos Oliveira/Agência Senado

Em depoimento durante negociação de delação premiada, Amaral afirmou que a presidenta Dilma Rousseff pediu a ele que atuasse nas investigações da Lava Jato ao pedir que encontrasse com o desembargador Marcelo Navarro, atualmente ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e pedisse que ele votasse pelo relaxamento da prisão dos presidentes da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo. O documento havia sido divulgado em uma reportagem da revista "IstoÉ". 

Sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o senador disse que o partiu dele a ordem para que ele tentasse convencer o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, preso na Lava Jato, a não implicar José Carlos Bumlai numa eventual delação premiada. Delcídio foi preso ao ser gravado pelo filho de Cerveró promete

Ainda de acordo com a publicação da revista, Amaral citou ao menos cinco colegas. Entre eles os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) presidente do senado e o senador tucano Aécio Neves. Os parlamentares já haviam sido citados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa em depoimento à Polícia Federal. 

Além de Calheiros, o ex-líder do governo no Senado também citou os senadores peemedebista Romero Jucá (RR), Edison Lobão (MA), Jader Barbalho (PA), Eunício Oliveira (CE) e Valdir Raupp (RO).

O Supremo Tribunal Federal deverá divulgar a homologação da delação de Amaral na tarde desta terça.

Cardozo, da AGU, diz que delação de Delcídio já foi noticiada e não se sustenta

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, reagiu à notícia da homologação da delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dizendo que já foi noticiada e as denúncias não se sustentam.

Falando a jornalistas, Cardozo disse que as acusações contidas na delação do ex-líder do governo no Senado sobre a presidenta Dilma Rousseff e o governo são muito frágeis.

Governo está preparado para defender Dilma na comissão do impeachment

O governo já está preparado para defender Dilma Rousseff na comissão do impeachment a ser instalada na Câmara dos Deputados, afirmou nesta terça-feira o ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo.

O ministro reiterou, em entrevista, que o governo não cometeu crime de responsabilidade fiscal que justificasse um impedimento da presidenta. "Não houve ilegalidade", acrescentou.

Cardozo disse ainda que a eventual volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto como ministro de Dilma "não é blindagem".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia