Justiça Federal determina bloqueio dos bens de Eduardo Cunha e Cláudia Cruz

Procuradores da Operação Lava Jato pedem que o parlamentar seja condenado à devolução de R$ 20 milhões

Por lucas.cardoso

Brasília - A Justiça Federal em Curitiba determinou nesta terça-feira a indisponibilidade dos bens do presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), da mulher dele, Cláudia Cruz, do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada e mais dois investigados. Ne mesma decisão, o juiz Augusto César Pansini, da 6ª Vara Federal em Curitiba, determinou a quebra sigilo fiscal de Cunha desde 2007.

Força-tarefa da Lava Jato acusou Cunha de improbidade administrativaLula Marques / Agência PT

A decisão foi baseada no pedido feito nesta segunda-feira pela força-tarefa dos procuradores da Operação Lava Jato pedem que Cunha seja condenado à devolução de R$ 20 milhões, montante referente a valores movimentados em contas não declaradas no exterior, além da suspensão dos direitos políticos por dez anos. Se condenada, a mulher de Cunha deverá devolver o equivalente R$ 4,4 milhões por ter sido beneficiada por valores depositados em uma das contas

O pedido de abertura da ação de improbidade questão não foi decidida pelo juiz. A questão será decidida após manifestação da defesa de Cunha.

Leia mais: 

Conselho de Ética aprova relatório que pede cassação de Eduardo Cunha

'Nenhum dos senhores manda nessa nega aqui', diz Tia Eron


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia