Polícia Militar reprime manifestação contra Michel Temer em São Paulo

Os PMs usaram bombas de gás lacrimogênio e spray de pimenta, gerando correria entre os manifestantes. Eles que não souberam dizer o que motivou o ataque

Por rafael.nascimento

São Paulo - A polícia reprimiu com bombas de gás lacrimogênio e spray de pimenta a manifestação contra o presidente interino Michel Temer na noite dessa terça-feira ocorrida na região central da capital paulista.

Policiais usaram bombas de gás lacrimogênio e spray de pimenta%2C gerando correria entre os manifestantesRovena Rosa/Agência Brasil

Os manifestantes saíram do Museu de Arte de São Paulo (Masp), desceram a Rua Augusta, passaram pela Praça Roosevelt e pela Rua Rego Freitas e seguiam na direção da sede da Folha de S.Paulo, quando houve um estouro de bomba próximo ao Largo do Arouche por volta das 21h30.

Questionado, o major Telles, comandante da operação, não soube dizer o que motivou a ação da PM. Os policiais usaram bombas de gás lacrimogênio e spray de pimenta, gerando correria entre os manifestantes. Os manifestantes também não souberam explicar o que motivou a ação da polícia.

Policiais da tropa de choque fizeram uma barreira para evitar a manifestação Rovena Rosa/Agência Brasil

O grupo se dispersou e, após cerca de uma hora, alguns manifestantes finalmente conseguiram chegar até a sede da Folha, na rua Barão de Limeira. Eles deitaram no chão e formaram a palavra "Golpe" no local. Policiais da tropa de choque fizeram uma barreira na porta de entrada do jornal.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia