Mais Lidas

Esplanada: Temer terá encontros com entidades ligadas ao setor empresarial

O objetivo é angariar o máximo de apoio possível às polêmicas reformas da Previdência e Trabalhista antes do fim do recesso do Congresso

Por thiago.antunes

Brasília - A agenda do presidente Michel Temer para o mês de janeiro prevê encontros, reuniões e cerimônias com entidades ligadas ao setor empresarial. O objetivo é angariar o máximo de apoio possível às polêmicas reformas da Previdência e Trabalhista antes do fim do recesso do Congresso.

Apesar de ter alardeado que irá patrocinar a Reforma Tributária, tanto Temer quanto a equipe econômica admitem que o texto só ficará pronto depois de cessada a choradeira dos governadores.

Oportunismo

Para o senador tucano José Aníbal (SP), a reforma trabalhista não deve se resumir a um discurso demagógico das centrais sindicais. “Deve, sim, gerar emprego”.

Zerado

A justiça ficou sabendo ontem, pelo Banco do Brasil, que não há um centavo na conta corrente do governo de Minas Gerais.

Para esquecer

O ano passado foi sombrio para o setor de serviços. Houve forte fraqueza no volume de novos pedidos e recorde de baixa da confiança.

Onda da CPMF

Muitos prefeitos e governadores torcem pela volta da CPMF, que poderia ajudar a salvar o caixa da pindaíba. Parlamentares consultados ontem pela Coluna negam a articulação, como Alfredo Kaefer (PSL-PR) e Hildo Rocha (PMDB-MA). O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) foi direto: “Tão malucos, não passa de jeito nenhum”.

Na gaveta

O deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) observa que em ano pré-eleitoral e com as reformas da Previdência e Trabalhista na pauta, fica muito difícil criar novos impostos.

Ponta da agulha

Senado Federal discute quatro PECs que reduz a maioridade penal para 16 anos. Estão paradas na Comissão de Constituição e Justiça. Na Argentina, discute-se a maioridade para 14 anos.

Ninguém sabia

O padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária, alertou há dois anos sobre os riscos de rebelião no Complexo Penitenciário de Manaus.

Todos sabem

“A coisa tende a se agravar em todo o país”, prevê o religioso. É mais uma voz que adverte para o “barril de pólvora”, como admitiu ontem o ministro da Justiça, Alexandre Moraes.

Para divulgar

Deputado Padre João (PT-MG) pediu em nome da Comissão de Direitos Humanos da Câmara a criação de uma força-tarefa para investigar as 60 mortes no presídio de Manaus.

Ninguém responde

Desde 2011 o governo brasileiro mantém a “Casa de Governo em Altamira”, no Pará. O escritório avançado que está sob a responsabilidade da Secretaria-Geral da Presidência da República tem pouca ou nenhuma importância. No papel, o decreto assinado por Lula da Silva diz que a representação deveria acompanhar obras do PAC e questões ambientais.

Nada funciona

Na prática, o escritório especial está parado. Nem a chefe do local aparece no trabalho. Estaria em recesso. Perguntas encaminhadas pela Coluna esperam respostas há duas semanas. Até o site do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu (PDRSX), que está sob a responsabilidade do escritório, não é atualizado desde outubro de 2016.

Revezamento

Antonio Imbassahy (BA) já entregou o bastão da Liderança do PSDB na Câmara para seu colega Ricardo Trípoli (SP), eleito em dezembro passado.

Ponto Final

Do ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo: "Do fundo do meu coração, se fosse para cumprir muitos anos em alguma prisão nossa, eu preferia morrer".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia