Waguinho est - DivulgaÇÃO
Waguinho estDivulgaÇÃO
Por

O prefeito de Belford Roxo, Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (MDB) recebeu voz de prisão por crime de boca de urna ontem, na Baixada Fluminense. Ele chegou a ser preso por policiais militares, mas fugiu do local depois que pediu para lavar as mãos. Posteriormente, se apresentou à 54ª (Belford Roxo) para prestar esclarecimentos.

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ), o político cumprimentava e colava adesivos do candidato Eduardo Paes (DEM) em eleitores no entorno da zona eleitoral do Ciep de Heliópolis. A voz de prisão foi dada pela promotora de Justiça, Ana Carolina Fernandes.

Em nota, Waguinho disse chegou ao seu local de votação com adesivo na roupa como manifestação silenciosa e legal, mas, não pediu voto ou agiu de maneira irregular. "Como prefeito, cumprimentei os munícipes de forma cordial e atendi a pedidos de fotos", destacou o prefeito, que classificou a interpretação da promotora como "total afronta à Lei Eleitoral".

CRIME ELEITORAL

Em todo estado do Rio, 29 crimes eleitorais foram registrados: 14 referentes à boca de urna, um caso de compra de votos, um relativo à propaganda irregular, um de desobediência a ordens da justiça eleitoral e 12 sobre outros crimes eleitorais. Destas prisões, três foram em Aperibé, no Noroeste Fluminense, em que ocorre também eleição suplementar para prefeito.

Em todo Brasil, 396 ocorrências foram registradas com eleitores e 179 resultaram em prisão, com o objetivo de garantir a ordem nos locais de votação.

Você pode gostar
Comentários