Cidades têm novos médicos, mas já notam desistências

Antes de Cuba anunciar o rompimento, havia cerca de 2 mil vagas não preenchidas no país - de 18.240 postos do programa federal

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Vagas deixadas pelos cubanos começaram a ser ocupadas nesta segunda-feira
Vagas deixadas pelos cubanos começaram a ser ocupadas nesta segunda-feira -

Rio - Profissionais brasileiros inscritos no novo edital do programa Mais Médicos começaram nesta semana a ocupar as vagas deixadas pelos cubanos, mas desistências já preocupam os municípios. Na segunda-feira, 224 brasileiros se apresentaram às cidades onde irão trabalhar, segundo o Ministério da Saúde.

A médica Carolina Serafim da Silva, de 27 anos, foi uma delas. Na terça-feira, começou a trabalhar em Votorantim (SP). Pelo menos 1.307 médicos cubanos que atuavam em 733 municípios - de um total de 8,3 mil profissionais da ilha - já deixaram o País, disse a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

"Encaro como uma oportunidade, pois penso em me especializar em Medicina da Família", diz ela, que terá cerca de 4 mil moradores sob seus cuidados. A jovem, que vivia de plantões, acredita que o programa vai garantir a ela mais estabilidade. Além da bolsa de R$ 11,8 mil, terá uma ajuda de custo de R$ 1,8 mil para gastos com aluguel.

Na terça, a professora Claudia Ferreira, de 47 anos, foi conhecer a novata e aproveitou para medir a pressão. "Espero que tenha o mesmo pique da doutora Liliana, a cubana que nos deixou. Com ela, o atendimento melhorou muito." Saiu animada. "Ela (Carolina) é simples como a gente, simpática. Acho que vai ser uma continuidade."

Segundo a Secretaria de Saúde de Votorantim, há ainda uma vaga aberta por uma brasileira que saiu do programa sem terminar o contrato. Antes de Cuba anunciar o rompimento, havia cerca de 2 mil vagas não preenchidas no país - de 18.240 postos do programa federal.

O novo edital também tem atraído recém-formados. É o caso de Raphael Fittipaldi, que vai atuar em Ourinhos (SP). "Como sou da cidade, me coloquei à disposição para assumir de imediato a vaga", conta ele, que pegou o diploma no 1.º semestre e começou a trabalhar na terça.

Últimas de Brasil