Tentativa de assalto a bancos deixa ao menos 11 suspeitos mortos

Grupo de 30 criminosos atacou as agências do Banco do Brasil e do Santander do município de Guararema, em São Paulo

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Criminosos explodiram os caixas eletrônicos do Banco do Brasil e atacaram a outra agência, mas não teriam conseguido levar o dinheiro
Criminosos explodiram os caixas eletrônicos do Banco do Brasil e atacaram a outra agência, mas não teriam conseguido levar o dinheiro -

Sorocaba - Ao menos onze suspeitos morreram durante tentativa de assalto a dois bancos, na madrugada desta quinta-feira, em Guararema (SP). Os moradores foram acordados por explosões, intenso tiroteio e o barulho de sirenes.

Por volta das 3h da manhã, um grupo de 30 criminosos atacou as agências do Banco do Brasil e do Santander do município paulista. Os criminosos explodiram os caixas eletrônicos do Banco do Brasil e atacaram a outra agência, mas não teriam conseguido levar o dinheiro.

O bando já era monitorado pelo Ministério Público Estadual e a Polícia Militar conseguiu cercar os criminosos ainda durante a ação. O grupo foi atacado na estrada que liga Guararema à cidade a Santa Branca. Ao menos seis suspeitos foram mortos no local.

Durante a fuga, um homem foi tomado como refém e o criminoso conseguiu invadir um sítio, arrombando a porta. Vanderleia Vicente Gomes e o marido dela também foram feitos reféns, mas os policiais invadiram o local e mataram o criminoso. Até o início da manhã, a PM continuava em busca de outros suspeitos. As agências estavam interditadas por terem sido deixados explosivos em seu interior.

AAAA

Os 28,3 mil moradores de Guararema (SP) tiveram uma manhã de caos.

O vigilante Henrique Gouveia seguia de bicicleta pela Rua Álvaro Campagnoli quando ouviu o barulho de uma explosão, por volta das 3h da madrugada. "Foi tudo em sequência, como em um filme. Depois das explosões teve um monte de tiro, depois o barulho de sirenes, mais tiros e muito barulho. Eu vi que havia movimento no calçadão perto do Santander e imaginei que fosse assalto."

Gouveia se protegeu, mas viu dois carros entrarem "com tudo" na rua sem saída. "Vários bandidos desceram e foram para cima de um rapaz que trabalha de porteiro e o levaram para o mato. Depois eu soube que ele foi libertado."

O padeiro Antonio Daniel, que trabalha na panificadora Flor, chegava de Jacareí, cidade onde mora, por volta das 5h, e viu um cenário de horror. "Um monte de viatura, ambulância, gente correndo. As ruas estavam bloqueadas, tive que dar volta, mas deu para ver o Banco do Brasil estourado."

Na cidade, algumas escolas não iniciaram as aulas no horário normal. De acordo com Aline Cristina de Faria, funcionária terceirizada da prefeitura, o transporte de alunos foi afetado e, sabendo do ataque, os pais não mandaram os filhos para as aulas. "Eu só fiquei sabendo de manhã, mas uma vizinha que mora em um sobrado, ao lado de casa, viu tudo." Segundo ela, o departamento de trânsito interditou algumas ruas do centro por segurança.

Em ao menos seis pontos, os criminosos lançaram "miguelitos", pregos retorcidos para furar os pneus dos veículos em caso de perseguição. Uma viatura da PM teve os pneus furados.

Parte do comércio continuava fechada por volta das 10h. Algumas lojas anunciaram que só iriam abrir à tarde. A estrada de acesso à Pedra Montada, ponto turístico da cidade, também estava fechada. Foi ali que os policiais das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) encontraram os criminosos em fuga. Só nesse local, sete suspeitos foram mortos. Dois carros deixados pela quadrilha estavam cheios de explosivos.

Comentários