Em live com Bolsonaro e Moro, Augusto Heleno faz aceno comercial a países árabes

Após críticas sobre viagem a Israel, ministro do Gabinete de Segurança Institucional afirmou que 'interessa muito manter' a o comércio entre o país e a comunidade árabe

Por O Dia

Bolsonaro aproveitou a live para divulgar o novo Twitter do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro
Bolsonaro aproveitou a live para divulgar o novo Twitter do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro -

Rio - Na transmissão ao vivo realizada no Facebook pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, às 19h desta quinta-feira, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, reforçou a importância comercial dos países da comunidade árabe. 

"Nós temos uma balança comercial com a comunidade árabe que nos interessa muito manter", afirmou o general. "Muita gente colocou isso com maldade, que a visita a israel significava um afastamento da comunidade árabe. Negativo. Isso não vai acontecer", concluiu. O ministro afirmou ainda que as parcerias externas do Brasil são determinadas sem viés ideológico. 

A transmissão contou também com a participação do ministro de Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que comentou a articulação para a aprovação de seu pacote anticrime na Câmara. Moro afirmou que está "conversando muito com parlamentares" e que sente "uma grande receptividade" à proposta.

Bolsonaro aproveitou a oportunidade para divulgar a conta oficial do Twitter do ministro, criada nesta quinta-feira. "Segui o exemplo do presidente, se der errado a culpa é dele", disse Moro.  

O presidente da República comentou a reunião nesta quinta-feira com representantes de outros partidos, como Gilberto Kassab (PSD-SP), Geraldo Alckmin (PSDB-SP), Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA). Segundo ele, a reunião tratou sobre "questões partidárias, governabilidade e reforma da Previdência", e "nada foi tratado sobre cargos". 

Bolsonaro justificou ainda a não-reciprocidade do acordo que dispensou o visto de visita para turistas de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão. "O que interessa para nós é o turismo", explicou ele. 

O presidente também falou sobre a viagem à Israel, reforçando a aliança com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, acusado de corrupção no país. Bolsonaro informou que deverá exportar tecnologia de Israel para aumentar a nossa produção de peixe, e disse que Netanyahu apoiará o ingresso do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico).

 

Comentários