PF vê participação de ministro do Turismo em esquema de laranjas, diz jornal

Marcelo Álvaro Antônio é investigado por crime de falsidade ideológica e de lavagem de dinheiro;uma ex-candidata do partido em Minas disse que o então presidente do PSL no estado lhe ofereceu dinheiro público com a condição de que devolvesse uma parte

Por O Dia

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), é apontado por articular candidaturas laranjas em Minas para direcionar verbas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara
O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), é apontado por articular candidaturas laranjas em Minas para direcionar verbas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara -

Brasília - A investigação da Polícia Federal sobre esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas aponta para participação do ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio. A informação foi divulgada nesta sexta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo, após 30 dias de investigação. Segundo a publicação, os investigadores apuram inicialmente o crime de falsidade ideológica e de lavagem de dinheiro.

Uma reportagem do jornal do dia 4 de fevereiro apontou que o ministro, que era presidente estadual do PSL em Minas Gerais, direcionou verbas de campanha a quatro candidatas mulheres no Estado que são suspeitas de serem laranjas.

O ministério do Turismo disse em nota que a matéria da Folha de S.Paulo "ultrapassa todos os limites da imoralidade" e diz que o texto não traz qualquer dado que sustente o título. "A edição de hoje serve como mais um elemento para o processo que o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, move por calúnia contra o jornal. O ministro aguarda o fim do processo com tranquilidade e confiança na seriedade e profissionalismo da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça", diz a nota.

Ex-candidata a deputada estadual, Cleuzenir Barbosa declarou ao "Jornal Nacional", da Rede Globo, que assessores de Marcelo Álvaro Antônio pediram que ela transferisse para empresas dinheiro público de campanha. 

Parte da bancada do PSL pressiona o Palácio do Planalto a demitir o ministro do Turismo. A avaliação é que a permanência dele no cargo contamina a sigla e pode prejudicar o desempenho do PSL nas eleições municipais do ano que vem.

Bebianno foi o único a sofrer consequências no governo

O ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência foi o único a cair com a revelação do esquema em Minas. O nome de Gustavo Bebianno surgiu no escândalo por ele ter sido presidente nacional do partido durante as eleições. Em entrevista no dia 19 de fevereiro, ele afirmou que foi "escolhido para Cristo". Bebianno foi afastado do Planalto após crise envolvendo filho do presidente Carlos Bolsonaro. 

 

 

Comentários