Moro se inspira em filmes americanos e defende policial infiltrado em gangues

Ministro da Justiça fez uma 'thread', uma sequência de tuítes, para falar sobre seu projeto de lei relacionado ao combate ao crime organizado e aos crimes violentos

Por O Dia

O ministro da Justiça, Sergio Moro, cita dois filmes policiais americanos para exemplificar uma das propostas de seu pacote
O ministro da Justiça, Sergio Moro, cita dois filmes policiais americanos para exemplificar uma das propostas de seu pacote -

Brasília - "Já assistiu aqueles filmes norte-americanos com agentes policiais disfarçados infiltrando-se em gangues de criminosos, traficantes ou corruptos?". Foi assim que o ministro da Justiça e segurança pública Sergio Moro começou a explicar seu pacote anticrime no Twitter, neste domingo. Moro fez uma "thread", uma sequência de tuítes, para falar sobre seu projeto de lei relacionado ao combate ao crime organizado e aos crimes violentos. Na primeira mensagem, Moro menciona que são "medidas simples e eficazes contra o crime".

O ministro cita dois filmes policiais americanos para exemplificar uma das propostas de seu pacote. Produção de 1997, Donnie Brasco retrata um policial dos anos 70 infiltrado na máfia.

Já The Infiltrator, que no Brasil teve como nome Conexão Escobar, é um filme de 2016 no qual um oficial americano, também em uma operação infiltrada, revela um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo o narcotraficante Pablo Escobar.

Segundo Moro, é preciso "deixar a lei brasileira mais clara" para que os policiais brasileiros possam se infiltrar em organizações criminosas. Na sequência, Moro compara como essa atividade policial é interpretada na legislação atual e como seria se seu pacote fosse aprovado.

De acordo com o ministro, esse tipo de atuação da policia poderia "revelar grandes esquemas". Moro destacou que se as operações infiltradas funcionam no exterior, vão funcionar no Brasil. O ministro disse ainda que capacitará os policiais para tais atividades.

Sergio Moro estreou no Twitter na quinta-feira passada, dia 4, para defender o projeto de lei anticrime encaminhado ao Congresso e outras medidas do governo. O ministro diz que se inscreveu na rede social "pois é um instrumento poderoso de comunicação". Após seus primeiros "tuítes", o ex-juiz recebeu manifestações de apoio e críticas e serviu de inspiração para diferentes memes.

Comentários