'Foram importantes, mas não foram grandes', diz Onyx sobre manifestações

Ele reafirmou a intenção do governo de investir na educação básica, lembrando que o Brasil ainda tem 30% de analfabetos

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni anunciou o adiamento
Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni anunciou o adiamento -
Brasília - O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não quis comentar a frase do presidente Jair Bolsonaro sobre as manifestações contra o contingenciamento na Educação ocorridas nesta quarta-feira, 15, em todo País e que mobilizou milhares de pessoas, chamados de "idiotas úteis" pelo presidente. Segundo Onyx, as manifestações "foram importantes, mas não foram grandes".
"Primeiro precisamos ter a tranquilidade de saber que numa democracia as manifestações são normais. O PT e a CUT que aparelharam as universidades brasileiras fizeram isso nos últimos 30 anos. As distorções que as universidades brasileiras têm hoje, em muitos casos são fruto disso", disse o ministro sem explicar quais seriam as distorções.
Ele ressaltou que manifestações grandes foram as que ocorreram em 13 de março de 2016, que reuniram 2,5 milhões de pessoas na Avenida Paulista, em São Paulo, pedindo o impeachment da então presidente Dilma Rousseff. "Nós esperávamos que fosse assim. Não achei grande, achei importante", avaliou.
Ele reafirmou a intenção do governo de investir na educação básica, lembrando que o Brasil ainda tem 30% de analfabetos, o mesmo patamar do Canadá há 50 anos. "Vamos continuar trabalhando com seriedade para modificar a educação no Brasil. O Brasil é o único País que aumenta o grau de escolaridade, os anos de escolaridade, e não tem impacto econômico, devido à pouca qualidade", afirmou, ressaltando que é preciso tirar "a ideologia de dentro das universidades"
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários