Médium João de Deus retorna à prisão

Médium ficou internado por mais de dois meses no Instituto Neurológico de Goiânia para tratar de um aneurisma no abdômen

Por ESTADÃO CONTEÚDO

João de Deus foi preso preventivamente em 16 de dezembro, acusado de ter abusado sexualmente de dezenas de frequentadoras de seu centro espírita em Abadiânia
João de Deus foi preso preventivamente em 16 de dezembro, acusado de ter abusado sexualmente de dezenas de frequentadoras de seu centro espírita em Abadiânia -
Goiás - Após a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, chegou, na tarde desta quinta-feira, ao Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana de Goiânia.

O médium ficou internado por mais de dois meses no Instituto Neurológico de Goiânia para tratar de um aneurisma no abdômen. Nesta tarde, ele deixou o hospital em uma cadeira de rodas e vestindo roupas brancas.


João de Deus responde a oito ações penais por crimes sexuais, protocoladas no Fórum de Abadiânia. Ao todo, 90 vítimas denunciaram o médium, e a primeira denúncia foi levada à Justiça em 9 de janeiro.

A mais recente acusação do Ministério Público de Goiás contra o médium foi levada à Justiça nesta quarta.

Segundo a denúncia, dez vítimas relatam ter sido abusadas durante atendimento coletivo na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, município localizado a 89 quilômetros de Goiânia.

Com a palavra, A Defesa de João de Deus

Em nota, o criminalista Alberto Zacharias Toron, defensor de João de Deus, declarou:

"O resultado do julgamento dos HCs no STJ merece nosso respeito, mas será objeto de questionamento no STF em razão da injustiça de consagra.

Não é concebível que em pleno século 21 o sistema penal persista na prática de prender preventivamente desprezando a utilização de medidas alternativas como a prisão domiciliar e o uso da tornozeleira eletrônica, que neutralizariam qualquer perigo que o senhor João de Deus pudesse representar.

Afora isso, tratando se de uma pessoa idosa e portadora de doença vascular, além de um aneurisma na aorta abdominal, e uma verdadeira crueldade o reencarceramento."

Comentários