Bolsonaro: 'se Deus quiser', Eduardo será embaixador na 'maior potência do mundo'

Caso o presidente formalize a indicação, a nomeação terá que ser validada pela Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Eduardo Bolsonaro
Eduardo Bolsonaro -
Brasília - O presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que quer que um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), assuma a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Durante a posse do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, Bolsonaro afirmou que, "se Deus quiser", Eduardo vai ser embaixador "na maior potência do mundo". Caso Bolsonaro formalize a indicação, a nomeação terá que ser validada pela Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado.

Bolsonaro falou sobre os filhos ao citar a relação de amizade que possuem com Gustavo Montezano desde a juventude, pois moraram no mesmo condomínio no Rio de Janeiro. O presidente disse todos "daquela garotada" "lutaram muito", citando que "muitos fritaram hambúrguer".

"Vejo que, daquela garotada do condomínio, temos um presidente do BNDES. Temos um Senador da República (Flávio Bolsonaro), que, por ser meu filho, tem seus problemas potencializados. E teremos, se Deus quiser, um embaixador na maior potência do mundo", disse o presidente. "Até porque um pai, mesmo sendo deputado na época, não tinha como bancar o aperfeiçoamento dele nos Estados Unidos e ele (Eduardo) tinha que trabalhar", continuou Bolsonaro.

Após a sinalização de que poderia virar embaixador, Eduardo citou que, além de ser presidente da Comissão de Relações Exteriores na Câmara, possui "vivência pelo mundo". "Já fiz intercâmbio, já fritei hambúrguer lá nos Estados Unidos, no frio do Maine", declarou Eduardo.

Após o evento desta terça-feira, 16, Bolsonaro disse que Eduardo já tem vontade de morar nos Estados Unidos "há muito tempo", mas que pediu para que ele ficasse no Brasil. Também comentou que o deputado "está tendo a chance de voltar" para os EUA, embora a indicação para assumir a embaixada não tenha sido formalizada.

"Meu filho só ficou no Brasil... Já era para estar nos Estados Unidos há muito tempo, por um apelo meu lá atrás, passou no concurso da Polícia Federal e decidiu ficar aqui. Agora está tendo uma chance de voltar, não por ele, mas dado o que temos com o presidente americano e dada a sua bagagem cultural que tem lá de trás", defendeu Bolsonaro.

Comentários