Segundo navio iraniano deixa Porto de Paranaguá

A embarcação está carregada com 48 mil toneladas de milho e recebeu 1,3 mil toneladas de combustível

Por Agência Brasil

Edifício sede da Petrobras na Avenida Chile, no Centro do Rio de Janeiro
Edifício sede da Petrobras na Avenida Chile, no Centro do Rio de Janeiro -
Brasília - O segundo navio iraniano MV Bavant, que ficou aguardando abastecimento no Porto de Paranaguá (PR), recebeu combustível e zarpou neste domingo (28) em direção ao Porto de Bandar Imam Khomeini, no Irã.

O navio está carregado com 48 mil toneladas de milho e recebeu 1,3 mil toneladas de combustível. Essa embarcação e a também iraniana MV Termeh – que deixou o porto ontem - estavam paradas há cerca de 50 dias em Paranaguá porque a Petrobras se negava a abastecer os navios de bandeira do Irã. A estimativa é que, juntos, os dois navios levem cerca de 100 mil toneladas de milho, avaliadas em mais de R$ 100 milhões.

O governo iraniano está sob sanções aplicadas pelos Estados Unidos. A Petrobras temia violar a legislação norte-americana devido ao embargo e, assim, sofrer prejuízos. No entanto, na última quarta-feira (24), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, determinou que a Petrobras abastecesse os navios.

“A decisão do STF garantiu a conclusão de uma operação comercial de exportação de milho ao Irã por uma empresa brasileira não sujeita a sanções pelas autoridades americanas. O entendimento foi de que a Petrobras não poderia sofrer sanções por fornecer esse combustível aos dois navios, até porque está cumprindo uma decisão judicial”, afirmou Rodrigo Cotta, advogado do escritório Kincaid Mendes Vianna, que representa a empresa a Eleva, que fretou os navios para exportar milho

Comentários