Oficina de danças africanas no Acampamento da Resistência do MST no interior de Pernambuco, contra o despejo - Reprodução/Facebook
Oficina de danças africanas no Acampamento da Resistência do MST no interior de Pernambuco, contra o despejoReprodução/Facebook
Por IG - Último Segundo
Pernambuco - O maior centro de formação nordestino do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) está sendo alvo de despejo pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL).

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) conseguiu uma decisão favorável na Justiça Federal que ordena a desocupação do centro de Caruaru, localizado no interior de Pernambuco. O Incra alega que as construções na área comum do assentamento foram feitas sem a liberação do órgão.

De acordo com a Folha de São Paulo, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSD), que integra o bloco nordestino de oposição à gestão de Bolsonaro, está tentando evitar a execução da sentença.

A força policial de Pernambuco não será disponibilizada pelo governador para auxiliar na reintegração de posse. A orientação de Paulo Câmara, ainda de acordo com a Folha de São Paulo, é para que o processo não seja executado.

Centro de formação
Batizado com o nome do educador pernambucano Paulo Freire, o centro de formação existe há 20 anos. O espaço agrega três agroindústrias, mais de 50 alojamentos e saldas de aula, além de quadra esportiva, academia pública para atividades físicas, creche e refeitório.

Um dos coordenadores nacionais do MST, em depoimento à Folha, informou que há duas semanas um acampamento foi instalado no local, com cerca de 1.500 pessoas. A ideia é resistir para evitar o despejo.

O prazo final para a desocupação da área em Caruaru é 10 de outubro. Caso a ordem não seja cumprida, a determinação ordena que força policial seja utilizada.