Wanderson de Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde - Agência Brasil
Wanderson de Oliveira, secretário de Vigilância em SaúdeAgência Brasil
Por O Dia

O Ministério da Saúde fez novas recomendações gerais para todos os estados brasileiros e outras específicas para os locais com transmissão local e comunitária do novo coronavírus. Uma delas é o cancelamento ou adiamento de grandes eventos, sejam eles governamentais, esportivos, culturais, ou políticos. Rio e São Paulo, até o momento, são os únicos estados com transmissão comunitária. Já o estado da Bahia tem transmissão local. Amazonas, que não estava no ranking no ministério, ontem registrou um caso suspeito.
Em locais com transmissão local, recomenda-se que idosos e doentes crônicos restrinjam o contato social, ou seja, evitem viagens, cinema, shopping, shows e demais locais com aglomeração de pessoas.

Em locais com transmissão comunitária, as medidas são mais rígidas. A pasta incentiva a realização de reuniões virtuais e o trabalho remoto (home office), se possível. Para as instituições de ensino, o planejamento da antecipação de férias, visando reduzir o prejuízo do calendário escolar, é uma das medidas sugeridas. O uso de ferramentas de ensino a distância também é uma delas.

A medida foi descrita como geral para os estados. Segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, os organizadores ou responsáveis pelos eventos devem cancelar ou adiar, se houver tempo hábil. "Não sendo possível, recomenda-se que que o evento ocorra sem público", pontuou. A medida também vale para cruzeiros turísticos, que devem ser adiados durante o período de emergência em saúde pública.

Wanderson explicou que o objetivo das medidas não farmacológicas sugeridas pelo Ministério da Saúde servem para reduzir a velocidade da transmissão do novo coronavírus. "São recomendações para reduzir o contato social e reduzir a velocidade da transmissão e manter o serviço de saúde ativo porque continuamos tendo dengue, cirurgias, acidentes de trânsito e não só o novo coronavírus", afirmou.

De acordo com o secretário, cada gestor deve adaptar as recomendações para a realidade de cada estado e município. Outra recomendação direcionada para os cidadãos, já citada anteriormente pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é alterar a forma de saudação e cumprimento das pessoas. "Em vez de um aperto de mão, um beijo ou abraço, uma cotovelada têm menos probabilidade de expor você a vírus respiratórios", diz.

Bolsonaro permanece em isolamento
Publicidade
Apesar de ter testado negativo na primeira amostra para detecção do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro permanecerá em isolamento e deve repetir o exame nos próximos dias, segundo informações da Agência Estado.

Bolsonaro deve ficar isolado por pelo menos sete dias, de acordo com o cardiologista Leandro Echenique. A medida conta a partir do contato prolongado com o secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, que esteve na comitiva que acompanhou o presidente na viagem oficial aos EUA, apresentou sintomas e foi diagnosticado com Covid-19.

Outra pessoa ligada ao presidente, a advogada Karina Kufa disse ontem que o resultado do seu exame mostrou que ela contraiu o coronavírus. “Estou bem, com sintomas leves", disse. Ela acompanhou a viagem do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos na semana passada.

No final da manhã, Bolsonaro postou em redes sociais que o seu teste para a doença deu negativo. Os ministros da Defesa, Fernando Azevedo, de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, também tiveram o resultado do exame negativo para o coronavírus.