Brasil estaria achatando a curva de contágio da covid-19, diz especialista

Até o momento, 58 mil pessoas foram contaminadas pela covid-19 no Brasil; mortes passam de 4 mil

Por iG

Até o momento, 58 mil pessoas foram contaminadas pela Covid-19 no Brasil; mortes passam de 4 mil
Até o momento, 58 mil pessoas foram contaminadas pela Covid-19 no Brasil; mortes passam de 4 mil -
São Paulo - Segundo o biólogo e pesquisador Dr. Atila Iamarino, o fato de algumas regiões do Brasil não terem colapsado o sistema de saúde mostra sinal de achatamento da curva de contágio do novo coronavírus (Sars-CoV-2). “Apesar de toda a falta de testes e informações claras do que acontece na Região Norte e alguns estados do Nordeste, ainda não termos colapsado o sistema de saúde é sinal desse achatamento”, diz o especialista.

Ainda de acordo com o Dr.Iamarino, o fato de São Paulo não ter colapsado como Nova York (EUA), a cidade mais afetada pela covid-19 no mundo, é um bom sinal. “Entramos na quarentena bem antes (dos EUA) em número e casos. Por isso, não tivemos algo como Nova York ainda está passando em São Paulo. Não devemos ter nem mais pra frente, espero”, diz Iamarino.

O especialista também afirma que achatar a curva de contágios é fundamental para conter a epidemia da covid-19. “A beleza de achatar a curva é que, quanto mais eficiente for este achatamento, mais para frente fica o pico teórico. Quem passou pelo pico de verdade, até agora, foram os lugares que tiveram o pior cenário, como Itália, Espanha e Nova York”.

Covid-19 será um problema longo
A Covid-19 também exige inteligência por parte das autoridades na hora de tomar a decisão de reabrir. Iamarino continua: “Singapura ficou dois meses controlando o vírus super bem. Vacilaram em abril e saltaram de 700 para 11 mil casos em menos de um mês”.

Iamarino apresenta três cenários para que o mundo saia da quarentena: “Isso acaba com vacina, com 60 ou 80% da humanidade infectada (se a imunidade de rebanho existir) ou com todo mundo tendo sido infectado se não tiver imunidade de rebanho. Daí a perspectiva de ser um problema longo”.

Comentários