Dória avalia vídeo da reunião ministerial: 'Descaso à democracia'

Governador diz que 'país está atônito'

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Governador do Estado de São Paulo, João Doria, durante Coletiva de imprensa sobre coronavírus

Local: São PauloSP. Data: 23�32020

Foto: Governo do Estado de São Paulo
Governador do Estado de São Paulo, João Doria, durante Coletiva de imprensa sobre coronavírus Local: São PauloSP. Data: 2332020 Foto: Governo do Estado de São Paulo -
São Paulo - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que o Brasil está "atônito com o nível da reunião ministerial" de 22 de abril, cuja gravação foi divulgada no fim da tarde desta sexta-feira, 22, por decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). Pelo Twitter, Doria disse que a gravação revela "descaso com a democracia" e um exemplo ruim diante da pandemia da covid-19.

"O Brasil está atônito com o nível da reunião ministerial. Palavrões, ofensas e ataques à governadores, prefeitos, parlamentares e ministros do Supremo, demonstram descaso com a democracia, desprezo pela Nação e agressões à institucionalidade da Presidência da República. Lamentável exemplo em meio à maior crise de saúde da história do País e diante de milhares de vítimas", tuitou o governador.

Doria foi citado pelo presidente Jair Bolsonaro na reunião, que o chamou de "bosta" diante dos ministros de Estado. O presidente se exaltou ao comentar as posturas de outros governantes diante da pandemia da covid-19, e também falou palavrões ao se referir ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) e ao prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB).

"Que os caras querem é a nossa hemorroida! É a nossa liberdade! Isso é uma verdade. O que esses caras fizeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso. Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta", ralhou o presidente da República, conforme a gravação.



Confira os vídeos da reunião ministerial, em 10 partes:

Comentários