Governo deve gastar R$ 153 mil no controle de pragas e vetores no Palácio da Alvorada

Instalações como Palácio do Jaburu, Palácio do Planalto e Residência Oficial da Granja do Torto também serão dedetizadas

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Residência do presidente Jair Bolsonaro, Palácio da Alvorada será dedetizado
Residência do presidente Jair Bolsonaro, Palácio da Alvorada será dedetizado -
Brasília - Além da pandemia da covid-19, o governo federal está preocupado com o controle de pragas urbanas e vetores em instalações da Presidência da República. Para solucionar infestações, o governo lançou nesta segunda-feira (1º) um edital para contratação de serviços, estimados em R$ 153,315 mil, que incluem a retirada de pombos, morcegos, ratos e abelhas do Palácio da Alvorada, onde o presidente Jair Bolsonaro vive com sua família, e do Palácio do Jaburu, casa do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, além de outros endereços.

A ideia é aplicar pesticidas a cada três meses, durante um ano. A Presidência argumenta que a terceirização desse serviço é necessária "devido ao grande fluxo de pessoas, a necessidade de dar condições plenas de segurança, salubridade e habitabilidade do órgão".

A contratação visa ainda a eliminar a "indesejável presença de insetos e animais daninhos em geral, visando a oferecer um ambiente com a devida assepsia e agradável para o bom desempenho das atividades exercidas".

O serviço inclui o controle sanitário contra insetos, como formigas, baratas, escorpiões, larvas de mosquitos, pulgas, cupins, piolhos, percevejos, carrapatos e aracnídeos. Além dos palácios em que vivem Bolsonaro e Mourão, devem ser dedetizados prédios como o Palácio do Planalto, onde despacham o presidente e alguns ministros, a Residência Oficial da Granja do Torto, usada esporadicamente pelo presidente, e outras instalações que acomodam a burocracia e logística da Presidência da República.

Comentários