Maia: acho que vivemos num momento muito difícil da nossa geração

Presidente da Câmara demonstrou preocupação com ataques ao Supremo

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Rodrigo Maia, presidente da Câmara
Rodrigo Maia, presidente da Câmara -
Brasília - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a criticar os conflitos institucionais promovidos por apoiadores mais radicais do presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista ao jornalista Tales Faria, do UOL, o parlamentar disse acreditar que, apesar dos conflitos, a democracia brasileira permanece forte e com apoio da população.

"Vivemos um momento muito difícil da nossa geração, nos últimos 100 anos, não vivemos um momento tão difícil, uma pandemia que vai chegar hoje a 30 mil mortos, a economia derretendo, a necessidade de gastos pela recessão que nós vamos passar e junto com isso uma escalada que não vem dessa pandemia, mas se mistura com ela, esses movimentos próximos ao presidente muito autoritários, sempre no ataque a quem diverge, a quem contraria a posição do governo. Eu fui vítima desses ataques, hoje é o Supremo Tribunal Federal (STF) em um movimento gravíssimo", disse Maia, para quem "a maioria da sociedade não aceita que, no momento, com essas variáveis, a gente possa ter movimentos em 2020 contra o STF, contra o Congresso Nacional, apenas porque divergem".

Maia defendeu a necessidade de se respeitar as decisões vindas do STF e falou que as ameaças a integrantes da Corte acontecem para impedir que os ministros continuem "cumprindo suas funções constitucionais".

Comentários