Michael Ryan, da OMS - Reprodução/OMS
Michael Ryan, da OMSReprodução/OMS
Por iG
Suíça - Após a omissão de dados referentes à transmissão e morte de infectados pelo novo coronavírus, determinada por Bolsonaro, o diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, cobrou "coerência" do governo brasileiro. Os números eram atualizados eram divulgados a cada 24 horas com atualização do avanço da doença.
"É muito importante que haja coerência nas mensagens sobre a pandemia de coronavírus, para que as pessoas possam confiar nelas, possam entender onde está a doença e avaliar seu risco", afirmou Ryan.

Micheal Ryan defende que a comunidade científica e técnica latino-americana já demonstrou excelente desempenho no combate de doenças contagiosas. Ele falou sobre os combates ao sarampo e à cólera e reforçou que é preciso apoio dos governos para vencer o coronavírus.
Publicidade
“Governos da América do Sul e Central precisam trabalhar de maneira coordenada com suas equipes de saúde pública e seus cientistas, que são excelentes, para controlar a doença", disse o diretor da OMS.

O diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que países que já reduziram o número de casos e mortes devem tomar cuidado para não haver um novo aumento, principalmente por conta desse momento de muitas manifestações pelo mundo. A exemplo do que ocorre no Brasil, em atos de defesa da democracia e a favor do presidente Jair Bolsonaro, e nos Estados Unidos, com passeatas contra o racismo após a morte de George Floyd.