PF faz megaoperação contra bolsonaristas envolvidos em atos antidemocráticos

Dentre os alvos, está o deputado federal Daniel Silveira, do PSL do Rio

Por O Dia*

O deputado federal Daniel Silveira, do PSL do Rio, é um dos alvos da operação
O deputado federal Daniel Silveira, do PSL do Rio, é um dos alvos da operação -
Brasília - A Polícia Federal deflagrou, desde as primeira horas da manhã desta terça-feira, a Operação Lume para cumprir 21 mandados de busca e apreensão contra bolsonaristas envolvidos em atos antidemocráticos no país. Os mandados foram cumpridos no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Maranhão, Santa Catarina e no Distrito Federal.
Dentre os alvos, estão:
. Daniel Silveira: deputado federal pelo PSL-RJ
. Allan dos Santos: blogueiro, fundador do site Terça Livre
. Luís Felipe Belmonte: empresário e advogado, principal operador político do Aliança pelo Brasil
. Sérgio Lima: publicitário e marqueteiro do Aliança pelo Brasil

Galeria de Fotos

O empresário Luís Felipe Belmonte Reprodução / Facebook
O deputado federal Daniel Silveira, do PSL do Rio, é um dos alvos da operação Reila Maria / Câmara dos Deputados
Allan dos Santos já foi alvo de busca e apreensão de outra operação da PF Estadão Conteúdo (arquivo)
O publicitário Sergio Lima Reproduçao / Instagram
O pedido para a operação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e autorizado pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Os mandados estão sendo cumpridos em endereços residenciais e comerciais dos investigados.
"Foram reunidos indícios de envolvimento com a realização de manifestações nas quais foram reclamadas medidas como o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF)", destacou a PGR.
A investigação apura a origem de recursos e a estrutura de financiamento e organização desses grupos, que vem praticando diversos atos contra a democracia nos últimos meses.
"Um linha de apuração é que os investigados teriam agido articuladamente com agentes públicos que detêm prerrogativa de foro no STF para financiar e promover atos que se enquadram em práticas tipificadas como crime pela Lei de Segurança Nacional (7.170/1983)", a PGR acrescentou.
DEFESA
Pelo Twitter, o deputado Daniel Silveira disse que o inquérito que está nas mãos do ministro Alexandre de Moraes contra os atos antidemocráticos "na verdade significa inquérito sobre aquilo que ele não gosta".
"Polícia Federal em meu apartamento. Estou de fato incomodando algumas esferas do velho poder. E cada dia estarei mais firme nessa guerra", o parlamentar escreveu.
Já o blogueiro Allan dos Santos recorreu ao presidente Jair Bolsonaro para que o mandatário do Executivo federal "restabeleça" a democracia no país.
"Estou apenas indignado por ver meus filhos e minha esposa passando por isso, presidente. Resgate nossa nação", apelou.
300 DO BRASIL
Ontem, a PF foi às ruas para cumprir outros mandados também no âmbito do inquérito sobre os atos antidemocráticos. Na ocasião, foi presa a extremista Sara Fernanda Giromini, conhecida como Sara Winter, que lidera o movimento "300 do Brasil", grupo armado de extrema direita formado por apoiadores de Bolsonaro, que acampava em Brasília até este fim de semana.
Além dela, outras quatro pessoas envolvidas com a liderança do movimento foram capturadas.
Saiba quem são alguns dos bolsonaristas que estão na mira da PF nesta terça-feira:
Daniel Silveira (PSL-RJ)

Único político com foro junto ao Supremo que é alvo da Polícia Federal na operação desta terça-feira, Daniel Silveira é deputado federal pelo PSL do Rio. Cabo da Polícia Militar, está em seu primeiro mandato como deputado.

Foi durante a campanha de outubro de 2018 que Silveira ficou conhecido por destruir, junto com seu colega de partido Rodrigo Amorim, uma placa de rua que homenageava a vereadora Marielle Franco, assassinada a tiros em 14 de março de 2018.

Alvo da operação da PF desta terça, Silveira publicou em sua conta no Twitter pela manhã que a Polícia Federal estava em seu apartamento.

O deputado, que também foi alvo de busca no âmbito do inquérito das fake news, é citado nas investigações sobre autoria e o financiamento de atos antidemocráticos ocorridos no mês passado em todo o País, como mostrou o Estadão.

Allan dos Santos

Empresário e um dos sócios do site conservador Terça Livre, já mencionado nas postagens do presidente Bolsonaro nas redes sociais, Allan Lopes dos Santos é um dos principais blogueiros alinhados com o bolsonarismo.

Alvo da Polícia Federal nesta terça-feira, 16, no âmbito de um inquérito de investiga a organização e o financiamento de atos antidemocráticos, o blogueiro também é um dos investigados no inquérito das fake news, que apura ameaças, ofensas e notícias falsas disseminadas contra integrantes do STF e seus familiares.

Foi no âmbito do inquérito das fake news que Santos foi alvo de mandado de busca e apreensão em 27 de maio, quando a PF cumpriu ordens judiciais expedidas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, mirando nomes ligados ao 'gabinete do ódio' e aliados do presidente Jair Bolsonaro.

Seguidor do escritor Olavo de Carvalho e crítico da imprensa tradicional, Allan dos Santos foi um dos principais mobilizadores digitais nos ataques contra a repórter Constança Rezende, do Estadão, em março de 2019.

Luís Felipe Belmonte

Empresário e advogado, Luís Felipe Belmonte dos Santos é o segundo vice-presidente e principal operador político do Aliança pelo Brasil, partido que o presidente Jair Bolsonaro tenta tirar o papel. Milionário, Belmonte já foi filiado ao PSDB, fez doações para legendas de esquerda, como PCdoB, e atuou como advogado do empresário Luiz Estevão, que foi condenado a uma pena de 26 anos por fraudes na construção do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo.

Conforme mostrou reportagem do Estadão, Belmonte já auxiliou na organização de atos antidemocráticos em Brasília, como o que ocorreu em 3 de maio, um domingo. Na ocasião, o Aliança pelo Brasil foi a ponte, o contato entre as lideranças de grupos e movimentos de direita, que se organizaram para mobilizar os bolsonaristas em todo o País para participarem da manifestação. Em entrevista na época, Belmonte disse que não colocou nenhum centavo no evento, que prestou ajuda apenas como cidadão, e não como representante do partido.

Sérgio Lima

Marqueteiro do Aliança pelo Brasil, Sérgio Lima também foi alvo da operação da Polícia Federal nesta terça-feira. Publicitário, Lima foi uma das pessoas que estiveram presentes na comitiva do presidente Jair Bolsonaro nos Estados Unidos em março deste ano, e foi uma das mais de vinte pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus após a viagem. Antes da pandemia, 'Serginho' - como é conhecido entre governistas -, vinha sendo incentivado por bolsonaristas a disputar a Prefeitura de SP.

Segundo matéria publicada pelo jornal O Globo, Lima, mineiro que não cursou faculdade e se diz autodidata, foi o responsável pela identidade visual do partido Aliança pelo Brasil, e também pela criação do site da legenda.

Comentários