Pesquisa busca tecidos com maior proteção contra o coronavírus

Material seria utilizado para fabricar máscaras e outros equipamentos de proteção individual

Por Agência Brasil

Dez artesãs do Rio de Janeiro apoiadas pelo Instituto Musiva vão costurar 1.000 máscaras de tecido
Dez artesãs do Rio de Janeiro apoiadas pelo Instituto Musiva vão costurar 1.000 máscaras de tecido -
São Paulo - O Edital de Inovação para a Indústria do Senai está financiando um projeto de pesquisa que busca o desenvolvimento de um tecido de malha que possa oferecer mais proteção às máscaras e equipamentos utilizados no combate ao coronavírus. Esse tecidos são chamados de funcionais, porque são fabricados com produtos químicos e materiais que acrescentam determinadas funções, como proteção contra raios ultravioleta ou ação antimicrobiana.
O projeto ocorre em parceria entre a empresa Diklatex, o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (Senai/Cetiqt) e Bio-Manguinhos, cujos laboratórios têm sido usados para a realização dos testes.  Adriano Passos é coordenador da plataforma de Fibras do Instituto SENAI de Inovação em Biossintéticos e Fibras, e explica a eficácia das substâncias utilizadas.
"Não adianta matar o vírus e fazer mal ao ser humano. Então, estamos tendo todo esse cuidado", afirma Passos. Os primeiros testes já comprovaram a eficácia contra os vírus causadores da caxumba e do sarampo em ensaios in vitro.
Um laboratório com o nível de segurança exigido para pesquisas com o SARS-COV-2 passou a ser utilizado no último dia 17 para as testagens da pesquisa. O resultado deve ser divulgado até o fim de junho, mas Passos adianta que duas formulações testadas tiveram "performance ótima" contra o novo coronavírus.
A comercialização de tecidos com propriedades antivirais já é uma realidade e Passos acredita que a expansão dessa tecnologia pode ser uma tendência não apenas para serviços de saúde, mas para roupas e estofados de modo geral.
"Nossa ideia é que isso seja uma solução para profissionais de saúde, mas que pode ser desenvolvida para o público geral".

Comentários