Caso seja eficaz, o órgão passará a fabricar a vacina com os insumos da Sinovac e, posteriormente, com insumos próprios - Divulgação / OMS
Caso seja eficaz, o órgão passará a fabricar a vacina com os insumos da Sinovac e, posteriormente, com insumos própriosDivulgação / OMS
Por ESTADÃO CONTEÚDO
São Paulo - A empresa chinesa Sinovac Biotech informou nesta segunda-feira que a vacina que desenvolve contra a covid-19 no Brasil, com apoio do Instituto Butantan, apresentou respostas imunológicas mais fracas em idosos, um dos públicos que especialistas defendem como de prioridade.
A candidata CoronaVac não causou efeitos colaterais graves e mais de 90% dos testados experimentaram alta significativa de anticorpos. Só que em idosos os níveis foram ligeiramente mais baixos.
Publicidade
Já a farmacêutica alemã BioNTech informou que, ao lado da americana Pfizer, foi autorizada a testar também na Alemanha a sua candidata a vacina. Caso o teste clínico seja bem-sucedido, a expectativa é de que agências possam dar o aval regulatório até outubro. Assim, Pfizer e BioNTech preveem a possibilidade de administrar até 100 milhões de doses até o fim deste ano ­ e 1,3 bilhão até o fim de 2021. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.