Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) - Francisco Cepeda/Parceiro/Agência O Dia
Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB)Francisco Cepeda/Parceiro/Agência O Dia
Por ESTADÃO CONTEÚDO
Publicado 17/09/2020 14:08 | Atualizado 17/09/2020 14:08
A Prefeitura de São Paulo permitiu a volta de atividades presenciais extracurriculares em escolas públicas e particulares a partir do dia 7 de outubro. O retorno não é obrigatório para escolas nem para as famílias e valerão para todo o ensino básico. A volta das aulas, de fato, deve ser em 2 de novembro, com prioridade para o ensino médio.
A capital paulista já tinha autorização para a retomada de atividade de reforço e acolhimento nas escolas desde o dia 8 de setembro pelo governo do Estado, mas as prefeituras têm autonomia e Covas não havia concordado com a data.
Publicidade
Agora, o prefeito autorizou que escolas possam fazer atividades extracurriculares em outubro, que são esportes e acolhimento. "Estamos liberando o protocolo elaborado pelo governo do Estado de São Paulo. Até agora a cidade de São Paulo teve flexibilização sem retroceder, com redução em óbitos e internações. E é com essa mesma cautela que vamos continuar no setor educacional. Vamos continuar com outros inquéritos para ver se mantemos essa posição e ver o que é possível fazer no dia 3 de novembro. Estamos recebendo pressões de tudo quanto é lado. Mas temos certeza que estamos fazendo o que é recomendado pela área da saúde. Temos a vida como bem principal a ser protegido", disse Covas.
O ensino médio, cuja grande maioria dos alunos está nas escolas estaduais e particulares da capital, terão aulas efetivamente em novembro. A Prefeitura tem apenas oito escolas com ensino médio. A intenção é ajudar estudantes que farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e evitar a evasão de jovens da escola.
Publicidade
Como o Estadão antecipou, Covas não seguiu a decisão de prefeituras do ABC de deixar a reabertura das escolas apenas para 2021. Ele chegou a cogitar essa possibilidade, mas foi convencido pelos seus principais auxiliares da Educação e da Saúde de que não seria a melhor opção.
O adiamento para o ano que vem tem sido muito criticado por especialistas, que enumeram os danos às crianças e adolescentes da falta da escola, principalmente os mais vulneráveis. O Brasil, segundo organismos internacionais, é um dos países com mais tempo de escolas fechadas do mundo por causa da pandemia de coronavírus.
Publicidade
Além de temer a contaminação de professores e alunos, Covas também tem se preocupado com a opinião pública com relação à volta às aulas, já que é candidato à reeleição em novembro. Em pesquisas nos últimos meses, cerca de 70% da população dizia ser contra o retorno. Há ainda a batalha com os sindicatos de professores e diretores, que ameaçam greve caso as aulas voltem. Eles pediam que as escolas fossem abertas somente em 2021.