Abou Anni Filho (PSL-SP) - Reprodução
Abou Anni Filho (PSL-SP)Reprodução
Por ESTADÃO CONTEÚDO
Publicado 13/10/2020 13:18 | Atualizado há 3 dias
São Paulo - Um depósito de R$ 2 milhões feito pelo diretório nacional do PSL diretamente na conta de um candidato a vereador na capital abriu uma crise entre a candidata à Prefeitura Joice Hasselmann e a cúpula do partido. O dinheiro é oriundo do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e faz parte da cota total destinada ao PSL: R$ 199,4 milhões.

O valor foi destinado ao candidato Abou Anni Filho, que é filho do deputado federal Paulo Sérgio Abou Anni (PSL-SP). A chapa de candidatos a vereador do PSL na capital tem 83 postulantes. "Houve reclamação dos vereadores pela distorção e o diretório nacional vai reverter esse depósito", disse ao Estadão o deputado Junior Bozzella, presidente do PSL paulista.

Segundo dirigentes do PSL no Estado, a campanha de Joice na capital receberá R$ 5 milhões, mas até o momento apenas R$ 1 milhão caiu na conta do partido. No domingo, os candidatos a vereador da legenda chegaram a articular uma renúncia coletiva em grupos de WhatsApp, mas o movimento foi contido por Joice. A candidata passou então a pressionar a Executiva Nacional.

"O depósito feito pela Executiva Nacional do PSL na conta de um único candidato em detrimento de outros 82 gerou uma reação imediata e com razão. Eu, como candidata a prefeita, não poderia deixar de sair em defesa dos meus candidatos e candidatas", disse Joice ao Estadão. "Sempre lutei pelo que é certo e justo e assim continuará sendo. Temos inclusive cotas femininas estabelecidas por lei. Mas depois que expliquei a situação do presidente do PSL, Luciano Bivar, ele entendeu o erro que foi cometido e agora o valor destinado a Abou Anni filho será devolvido e redirecionado à chapa."