Força Nacional de Segurança Pública irá atuar no combate a incêndios florestais e queimadas no Pantanal - Fernando Frazão/ABr
Força Nacional de Segurança Pública irá atuar no combate a incêndios florestais e queimadas no PantanalFernando Frazão/ABr
Por ESTADÃO CONTEÚDO
Apesar de ter começado a chover em alguns locais da Amazônia, o bioma continua sofrendo fortemente com o fogo neste início de outubro. Nos 13 primeiros dias, a região já registrou 9.736 focos de calor, número 24% superior a todos os focos registrados nos 31 dias do mesmo mês no ano passado.

Outubro do ano passado teve o menor número de focos do registro histórico para o mês, 7.855, resultado atribuído pelo governo federal à ação das Forças Armadas na região, que assumiram a Operação Verde Brasil quando os incêndios tinham batido o recorde da década em agosto. Neste ano, porém, os militares voltaram à região a partir de maio e têm tido pouco sucesso para conter o fogo. Os meses de junho e julho tiveram mais focos que os mesmos meses do ano passado.

Agosto teve uma leve queda, mas em setembro as queimadas voltaram a explodir. Foram 32.017 focos no mês passado, ante 19 925 no mesmo mês de 2019 - alta de 60%, de acordo com dados compilados pelo Programa Queimadas, do Inpe.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública prorrogou até 11 de abril o emprego da Força Nacional de Segurança Pública em apoio ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) "nas ações de proteção ambiental no interior das unidades de conservação federais da Amazônia, com ênfase no combate ao desmatamento, extração ilegal de minério e madeira e invasão de áreas federais".

A decisão foi publicada em portaria no Diário Oficial de ontem. A atuação da Força Nacional no apoio ao ICMBio na região foi autorizada em outubro de 2018 e vem sendo prorrogada, geralmente a cada seis meses.