Os recursos indevidamente desviados da área de saúde superam os R$ 5 milhões, sendo que R$ 3,6 milhões eram específicos para o enfrentamento à Covid-19 - Divulgação
Os recursos indevidamente desviados da área de saúde superam os R$ 5 milhões, sendo que R$ 3,6 milhões eram específicos para o enfrentamento à Covid-19Divulgação
Por O Dia
Rio Grande do Norte - A Receita Federal, a Polícia Federal, a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagraram nesta sexta-feira a Operação Vale Tudo. O objetivo era combater organização criminosa suspeita de desvio de recursos públicos destinados prioritariamente ao combate à pandemia da Covid-19 no Rio Grande do Norte. 
Por meio da operação, os órgãos envolvidos apuram os indícios encontrados durante as investigações de práticas de diversos crimes, tais como crime eleitoral, sonegação fiscal, fraude à licitação, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.
Publicidade
Foram cumpridos 23 mandados de busca e apreensão em órgãos públicos, nas residências de investigados e nas empresas supostamente ligadas à organização criminosa. As ações ocorrem simultaneamente nos estados do Rio Grande do Norte e Pernambuco. A ação teve participação de 32 auditores fiscais e analistas da Receita Federal, 100 policiais federais e 15 servidores da CGU.
Os recursos indevidamente desviados da área de saúde superam os R$ 5 milhões, sendo que R$ 3,6 milhões eram específicos para o enfrentamento à Covid-19.

As investigações tiveram início com denúncias à Justiça Eleitoral de que funcionários de uma prefeitura teriam sido obrigados a contribuir com uma campanha política. Verificou-se indícios de fraudes à licitação na área de saúde para contratação de empresas comprometidas com o repasse indevido de recursos para a campanha eleitoral. Essas empresas eram pagas mediante “vales” emitidos pela Secretaria de Saúde.

As doações efetuadas eram direcionadas à lavagem de dinheiro, formalizando recursos já obtidos dessas empresas, e eram posteriormente devolvidas em dinheiro aos doadores. O nome da operação – Vale Tudo – decorre do uso de “vales” para pagamento das empresas.