O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque  - Agencia Brasil
O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque Agencia Brasil
Por iG
Brasília - O apagão que atingiu o Amapá nos últimos dias colocou o ministério de Minas e Energia , comandado pelo almirante Bento Albuquerque, na mira do Centrão. Com o momento delicado que a pasta passa em meio à crise de desabastecimento de energia e água no estado, o bloco tem a expectativa de ocupar mais uma cadeira no alto escalão do governo federal. 
De acordo com Albuquerque, as previsões de restabelecimento total da normalidade no Amapá são para o próximo final de semana . O ministro é um dos que faz parte da ala militar do Palácio do Planalto.

Até pouco tempo atrás, o Planalto insistia que uma eventual troca no comando de Minas e Energia não estava no radar. O apagão, porém, gerou um "fato novo" que pode fazer com que isso aconteça. Está prevista para fevereiro uma minirreforma ministerial, mas o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não deu detalhes sobre as mudanças que pretende fazer.

Desde que o PSD de Gilberto Kassab ampliou seus espaços na área das comunicações do governo federal, com a indicação do deputado Fábio Faria, outros partidos do Centrão não dão um dia de sossego para o presidente. Eles querem mais cadeiras no governo.