O Tribunal de Justiça de SP determinou prisão preventiva domiciliar 
 - Reprodução
O Tribunal de Justiça de SP determinou prisão preventiva domiciliar Reprodução
Por iG Último Segundo
Apesar de se apresentar como "advogada internacional", Lidiane Brandão Biezok, de 45 anos, filmada durante ataque homofóbico e racista na última sexta-feira (20) em padaria em São Paulo, não tem qualquer qualquer registro válido na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).
Segundo a OAB-SP, Lidiane "não consta no sistema de cadastro da entidade, tampouco do Cadastro Nacional de Advogados (CNA), mantido pelo Conselho Federal da OAB, que exerce a função de fiel repositório do cadastro de todos os advogados do Brasil".

Lidiane foi flagrada pelas câmeras de uma padaria ofendendo clientes e funcionários do estabelecimento.

Em sua versão, afirmou sofrer de bipolaridade, e alegou que havia sido provocada antes por pessoas presentes ao local. O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) determinou hoje a prisão preventiva domiciliar.