A prefeita Suéllen Rosim (Patriota) sancionou o projeto, que contraria o Plano São Paulo de enfrentamento da pandemia - Divulgação
A prefeita Suéllen Rosim (Patriota) sancionou o projeto, que contraria o Plano São Paulo de enfrentamento da pandemiaDivulgação
Por iG
São Paulo - A Polícia Civil identificou um homem negro de 37 anos como um dos autores de publicações racistas feitos contra a prefeita eleita de Bauru, no interior de São Paulo, Suéllen Rosim (Patriota).
O delegado Eduardo Herrera, responsável pela investigação, fez a revelação nesta quinta-feira (3). O homem, que não teve a identidade revelada, foi qualificado, interrogado e deverá ser indiciado no final do inquérito.
Publicidade
"Bauru não merecia ter essa prefeita de cor com cara de favelada comandando nossa cidade. A senzala estará no poder nos próximos quatro anos”, postou o homem em uma rede social após a confirmação da vitória de Suéllen nas urnas no último domingo (29).
No interrogatório, o autor da postagem afirmou que o objetivo era fazer com que pessoas de um grupo no Facebook ficassem instigadas a fazer comentários com o mesmo teor para mostrar que elas eram racistas. 

O homem negro foi ouvido e liberado em seguida devido a falta de fundamentação para prisão.

A futura prefeita de Bauru recebeu outras mensagens intimidadoras e com ameaças de morte. Em uma outra postagem, em que o autor ainda não foi identificado, ele afirma que "irá comprar uma pistola 9 mm e uma passagem só de ida para Bauru e irá matá-la".