Há a expectativa de a imunização começar no primeiro semestre de 2021 - Tânia Rêgo/Agência Brasil
Há a expectativa de a imunização começar no primeiro semestre de 2021Tânia Rêgo/Agência Brasil
Por ESTADÃO CONTEÚDO
} function enviarReportMatia() { var nameUser = $('#erro-materia-modal #name').val(); var emailUser = $('#erro-materia-modal #email').val(); if (!nameUser) { showErrorForm($('.nome-box'), 'Insira seu nome e sobrenome'); return; } else { hideErrorForm($('.nome-box')); } if (!emailUser) { showErrorForm($('.email-box'), 'Insira seu e-mail'); return; } else { hideErrorForm($('.email-box')); } if ($('#erro-materia-modal #descricao').val().length === 0) { showErrorForm($('.description-box'), 'Insira um comentário'); return; } else { hideErrorForm($('.description-box')); } var data = $('#erro-materia-form').serialize(); $('.layer-login').fadeIn(500); $.ajax({ url: 'https://odia.ig.com.br/leads/relatar-erro-materia.php', data: data, type: "POST", dataType: "json", success: function(json) { $('.layer-login').fadeOut(500); if (json) { if (json.status) { $('#erro-materia-modal span.msg-title').text('Enviado com sucesso'); $('#erro-materia-modal span.msg-descricao').text('O Jornal O dia agradece sua colaboração. Sua mensagem será analisada e os erros confirmados corrigidos.'); $('#erro-materia-form [type="reset"]').click(); $('.erro-materia-container').hide(); $('.erro-materia-mensagem').fadeIn(200); } else { $('#erro-materia-modal span.msg-title').text('Erro no envio de formulário'); $('#erro-materia-modal span.msg-descricao').text('Tente novamente mais tarde.'); $('.erro-materia-container').hide(); $('.erro-materia-mensagem').fadeIn(200); } } }, error: function(json, exception) { $('.layer-login').fadeOut(500); $('#erro-materia-modal span.msg-title').text('Erro no envio de formulário'); $('#erro-materia-modal span.msg-descricao').text('Tente novamente mais tarde.'); $('.erro-materia-container').hide(); $('.erro-materia-mensagem').fadeIn(200); } }); return false; }
São Paulo - Um grupo de promotores do Ministério Público paulista encaminhou ao procurador-geral, Mário Sarrubbo, e ao Comitê da Covid-19 do MP pedido para que "analise a possibilidade" de se incluir a categoria em uma das "primeiras etapas prioritárias" da vacinação contra a covid, "dada a atividade funcional da carreira". O pedido, no entanto, acabou rejeitado pelo procurador-geral, para o qual "não tem o menor cabimento este tipo de situação".

Na justificativa da reivindicação, há um trecho em que se afirma que "não é uma questão de egoísmo em relação a outras carreiras, mas tendo em vista notadamente os colegas do primeiro grau, que trabalham com audiências, atendimento ao público e outras atividades em que o contato social é extremamente grande". A iniciativa, segundo o site do MP, partiu do conselheiro Arual Martins, em reunião do Conselho no dia 24.

Ao tomar ciência da ideia, Sarrubbo afirmou que encaminharia a questão ao Gabinete de Crise e que "pode pessoalmente se empenhar em apresentar esse pleito ao Governo do Estado". O PGJ sinalizou que há ainda outras vacinas que "têm se mostrado com eficácia muito boa" e que há a expectativa de a imunização começar no primeiro semestre de 2021, "inicialmente para a população mais vulnerável, que seriam os idosos, os profissionais de medicina, e assim por diante".

Rejeição

Em nota sobre o pedido, no entanto, o MPSP derrubou a ideia. "Diferentemente do que vem sendo noticiado", argumenta, "não há qualquer solicitação formal por parte de promotores para sua inclusão nas etapas iniciais da vacinação".

A nota vai além. Esclarece que "o assunto foi aventado por uma iniciativa de um membro do Conselho Superior da instituição. Todavia, não houve qualquer deliberação acerca do infundado questionamento".

Segundo o texto, "quem encaminha os temas para votação no Conselho é o procurador-geral da Justiça, que não deu prosseguimento à discussão do assunto e tampouco fez qualquer gestão relativa a isso junto às autoridades sanitárias".

Em seguida, o documento afirma que "o MPSP está certo de que os técnicos definirão o cronograma de aplicação da vacina contra o novo coronavírus com base em critérios científicos, priorizando a imunização das parcelas mais vulneráveis à covid-19, tanto do ponto de vista médico quanto social.

A nota termina afirmando que o procurador-geral "não deu prosseguimento à discussão do assunto e tampouco fez qualquer gestão relativa a isso junto às autoridades sanitárias".

O Estadão teve acesso ao áudio encaminhado por Sarrubbo, na quarta-feira, aos membros da instituição. Na gravação, o chefe do MP paulista esclarece que assentiu sobre a proposta "apenas para encerrar o assunto".

Ele acrescenta que se comprometeu a levar ao governo estadual o abaixo-assinado de promotores só para "encerrar o assunto". No áudio, o chefe do Ministério Público paulista diz por fim que "não tem o menor cabimento este tipo de situação". E conclui: "Acho que temos de entrar nas regras gerais".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.