Prefeito de Barra do Mendes usa cinto para agredir manifestantes - Reprodução YouTube
Prefeito de Barra do Mendes usa cinto para agredir manifestantesReprodução YouTube
Por O Dia
Bahia - Uma câmera de segurança flagrou o prefeito de Barra do Mendes, cidade a cerca de 540 km de Salvador, Armênio Sodré, conhecido como Galego do MDB, usando um cinto para agredir moradores que protestavam na frente da casa dele na Bahia nesta sexta-feira. Uma mulher ficou ferida e com marcas da agressão pelo corpo. O caso foi registrado na Delegacia de Irecê e é investigado pela Polícia Civil.
O motivo da manifestação dos populares é a real destinação da verba de combate à Covid-19 na cidade. De acordo com o relato de Simone Souza, a mulher que se machucou, o Galego do MDB já desceu do carro com um cinto na mão e agrediu as pessoas que lá se encontravam.
"Quando a gente estava lá em frente à casa dele, ele [prefeito] chegou, parou o carro, e já desceu do carro dele por trás [das pessoas], todos correram quando viram ele. Eu fiquei para trás porque a mulher dele me desviou atenção chamando meu nome. Foi quando ele partiu para cima de mim com o chicote [cinto] na mão, me chicoteando várias vezes. De imediato, vi minha mão sangrando e fui levada ao hospital de Barra do Mendes”, contou Simone.
Publicidade
Ela ainda explicou que os manifestantes são amigos de um paciente da cidade que está internado com coronavírus e que precisa de um respirador ou de uma transferência para um local onde tenha mais recursos.
"Estamos indignados com nosso amigo precisando de um respirador, sentindo falta de ar. Os grupos se manifestaram para pedir ajuda as autoridades para arrumar vaga em Irecê ou em Salvador. A gente ficou muito triste ao saber que tinha esse amigo da gente lá precisando desse respirador, sendo que com o dinheiro do Covid ele [prefeito] conseguiria trazer um respirados para nossa cidade", disse Simone.
Publicidade
Em nota, o prefeito afirmou que as denúncias dos moradores sobre desvios de verbas recebidas para o combate à doença na cidade não são verdadeiras. Ele disse que agiu "intempestivamente", admitiu que errou e pediu desculpa pela situação.